Publicidade
Quarta-Feira, 14 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 30º C
  • 22º C

Técnica da seleção brasileira de ginástica rítmica, Camila Ferezin sonha com pódio olímpico

Treinadora da equipe verde-e-amarela desde 2011, Camila já participou de Jogos Olímpicos como atleta e assistente

Matheus Joffre
Florianópolis

A trajetória de Camila Ferezin, 38, na seleção brasileira de ginástica rítmica é longa. Foram nove anos como atleta, quatro como auxiliar técnica e, no fim de 2010, a paranaense de Londrina assumiu como treinadora da equipe verde-e-amarela de conjunto. Neste período, participou de quatro das cinco medalhas de ouro conquistadas pelo Brasil nos Jogos Pan-Americanos, de duas Olimpíadas, uma como ginasta e outra como assistente, e agora vive a expectativa de disputar mais uma edição dos Jogos Olímpicos pela primeira vez como técnica.

Eduardo Valente/ND
Camila Ferezin revelou música nova para cinco fitas: Aquarela do Brasil por Ivete Sangalo

 

“De três Olimpíadas que o Brasil disputou no conjunto, eu participei de duas, em Sidnei 2000, como ginasta, quando conquistamos o melhor resultado do país nos Jogos [um oitavo lugar], e em Atenas 2004, como auxiliar técnica. Agora vou realizar um grande sonho e participar como técnica. É um privilégio, estou muito feliz. Meu maior sonho é conquistar um pódio e alavancar a ginástica rítmica no país”, projetou a treinadora, que está em Florianópolis esta semana para dar uma clínica no IEE (Instituto Estadual de Educação), sede da equipe da Adiee/Udesc.

Camila recebeu sua primeira convocação para a seleção em 1991. No Pan de Winnipeg 1999, conquistou seu primeiro ouro no torneio intercontinental e, no ano seguinte, participou do conjunto que conseguiu a melhor colocação brasileira em uma Olimpíada, um oitavo lugar. Após os Jogos de Sidnei, foi convidada para ser assistente técnica da seleção, cargo no qual permaneceu até Atenas 2004. Depois, passou a desenvolver um trabalho de base com meninas na Unopar, em Londrina, e foi chamada para assumir o comando técnico da seleção no fim de 2010. 

Eduardo Valente/ND
Técnica da seleção brasileira de ginástica rítmica está dando uma clínica no IEE

 

A 168 dias para o início dos Jogos do Rio de Janeiro, Camila revelou detalhes da preparação em Aracaju-SE, onde fica o centro de treinamento da modalidade. Com coreografias e música novas, a brasilidade de Aquarela do Brasil, interpretada por Ivete Sangalo com exclusividade, será o tema do conjunto de cinco fitas. “A gente está em treinamento intensivo, em março começa as etapas da Copa do Mundo, com as coreografias novas, com a música de cinco fitas nova. A gente conseguiu que a Ivete Sangalo gravasse essa música e ficou maravilhosa, mas nós estamos guardando para divulgar e fazer uma surpresa no evento teste para os Jogos, em abril, no Rio de Janeiro”, contou.

A definição das cinco ginastas que formarão o conjunto na Rio 2016 também deve ocorrer neste período de competições. “Hoje, estamos com 12 ginastas no grupo da seleção em Aracaju, mas apenas cinco vão para a Olimpíada. Essas definições serão feitas agora, mais próximo dos Jogos, mas a base vai ser a mesma. Só estamos definindo a quarta ou quinta ginasta”, ressaltou.

Santa Catarina tem três atletas na seleção

Referência na ginástica rítmica nos últimos anos, Santa Catarina conta com três representantes na seleção brasileira de conjunto: Jéssica Sayonara Maier, de Timbó, e Maiara Cândido e Amanda Pfleger, ambas de Blumenau.

Além de todo o trabalho que vem sendo realizado pelos clubes, a presença no Estado de atletas de referência, com vários anos de seleção, como Luísa Matsuo, de Florianópolis, dona seis medalhas de ouro em Jogos Pan-Americanos, também contribui para o desenvolvimento da modalidade.  

“A ginástica catarinense se desenvolveu muito nos últimos anos graças às ginastas que estiveram na seleção, como a Luísa Matsuo, que é referência no conjunto. E ela deixou esse legado. Hoje, de 12 ginastas, três são catarinenses. Tem a Jéssica, que é a nossa melhor ginasta do conjunto e que provavelmente tem vaga garantida para os Jogos Olímpicos, a Maiara, que entrou recentemente e foi uma surpresa porque é o primeiro ano dela na categoria adulto e hoje também está na equipe titular, e a Amanda Pfleger, que eu convidei agora e está sendo avaliada”, destacou Camila.

 

Publicidade

0 Comentários

Publicidade

Escolha seu time

  • Chapecoense
  • Criciúma
  • Figueirense
  • JEC
  • Avaí
Publicidade