Publicidade
Quarta-Feira, 26 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 19º C

Liga Mundial de Surfe pode implantar sistema elétrico em pranchas para repelir tubarões

Objetivo é evitar que se repita ataque como o sofrido pelo australiano Mick Fanning em Jeffreys Bay

LANCE!NET

A Liga Mundial de Surfe (WSL) planeja medidas para tornar mais seguras as etapas do Circuito Mundial (WCT). Após o ataque de um tubarão sofrido pelo australiano Mick Fanning no último domingo em Jeffreys Bay, na África do Sul, a entidade estuda, dentre outras possibilidades, adotar um sistema elétrico nas pranchas, capaz de afastar animais desse porte.

:: Veja vídeo do ataque de tubarão a Mick Fanning

WSL/Divulgação/ND
Mick Fanning sofreu ataque de tubarão em praia da África do Sul


Tecnologias com a funcionalidade já existem, enquanto outras ainda estão em fase de testes. Um dos sistemas, por exemplo, consiste em um dispositivo incorporado à prancha que emite sinais elétricos à distância. Ao recebê-los, os animais se afastam. Trata-se de uma espécie de repelente anti-tubarões. 

A organização, por outro lado, não considera retirar Jeffreys Bay do calendário do surfe mundial depois do incidente com Fanning. Por contrato, o evento terá de ser realizado pelo menos até 2016. Mas mudanças poderão ser tomadas, o que será decidido nas próximas etapas de 2015. O problema será convencer os surfistas a voltar a competir no local após o ocorrido, mesmo que a segurança aumente.

No domingo, a WSL encerrou a final entre Fanning e Julian Wildon imediatamente após o ataque, e decretou empate. Ambos os atletas terminaram com a pontuação de vice-campeão (8.000 pontos), insuficiente para retirar o brasileiro Adriano de Souza, o Mineirinho, da liderança. O paulista soma 33.200, seguido por Fanning (32.950) e Wilson (31.450).

– A presença de tubarões existe em vários lugares, mas em 40 anos de circuito ninguém nunca imaginou que isso pudesse vir a acontecer. Não sei o que pode ser feito, está todo mundo assustado. Não dá nem para falar sobre uma situação como essa – disse o ex-surfista Teco padaratz, duas vezes campeão do WQS, ao LANCE!.

Embora este tenha sido o primeiro caso de ataque na história do Circuito Mundial, palcos como Jeffreys Bay são conhecidos pela forte presença de tubarões. Antes do início da etapa, um funcionário da comunicação da WSL relatou em redes sociais ter visto um enquanto surfava. Em 2003, o australiano Taj Burrow chegou a abandonar uma bateria na África do Sul por causa do risco.

A próxima etapa do Circuito Mundial está marcada para Teahupo'o, no Taiti, entre os dias 14 a 25 de agosto.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade

Escolha seu time

  • Chapecoense
  • Criciúma
  • Figueirense
  • JEC
  • Avaí
Publicidade