Publicidade
Sábado, 22 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

Para sair da zona da degola, Avaí apela para as forças de fora do gramado

Diante do Ceará, time azurra vem com garra, vontade e muita fé

Liana Coelho
Florianópolis
Alexandro Albornoz/ND
Goleiro Felipe acredita em uma reação do Avaí

 

 

Fim de ano chegando e a lista de pedidos para 2012 no Avaí tem uma prioridade indispensável: permanecer na elite do futebol. Como a situação está ruim e faltam poucas partidas para alcançar os pontos necessários para fugir da zona de rebaixamento, qualquer ajuda sempre é bem-vinda. E no Leão, as promessas em busca da permanência na Série A do Campeonato Brasileiro começam no domingo, contra o Ceará, 17h na Ressacada, pela 33ª rodada. Pelo menos, o goleiro Felipe conta com um apelo especial quando o assunto são promessas.

O camisa 1 do time afirma que é bastante apegado à religião e que se agarra à fé para ajudar o Avaí a sair da indigesta vice-lanterna da competição. “Sou muito devoto de Nossa Senhora Aparecida, minha família toda é, principalmente minha mãe. Ela é muito católica, religiosa e reza todo dia por mim e pelo Avaí. Já fez até promessa e se depender da fé dela, tenho certeza que Deus vai ajudar e vai dar certo”, comentou o atleta, afirmando que para tirar a equipe da atual situação, vale apelar para santo, anjo e até deuses de outro mundo.

Além das promessas, Felipe também deixou claro o objetivo do Leão nesses seis jogos que ainda restam ao clube para escapar do rebaixamento. Segundo o goleiro, o confronto de domingo é decisivo para as pretensões do grupo em 2011. “É um jogo extremamente importante, o chamado jogos de seis pontos, no qual podemos igualar a pontuação do Ceará se vencermos. Também temos que valorizar o setor casa, pois contamos com o apoio do nosso torcedor e tenho certeza que fará a diferença”, concluiu. O que todos esperam na Ressacada é que os anjos digam “amém”.

Defesa em crise

O goleiro também abordou outra situação que acompanha o time desde o início do campeonato: a defesa mais vazada, com 67 gols sofridos. Para Felipe, o problema não parte apenas da zaga, mas de todo o grupo. “É um pouco injusto responsabilizar somente a defesa. Não depende só da zaga, mas do time todo. Tem que começar lá na frente e vir em conjunto com o resto. Temos que marcar mais, concentrar os 90 minutos”, comentou.

Outro ponto que o atleta enfatizou foi à necessidade de evitar as viradas tão constantes nas partidas. Segundo Felipe, é preciso manter a calma do primeiro tempo e colocar em prática no segundo. “A gente consegue construir um resultado bom antes do intervalo e acaba deixando a vantagem escapar na segunda etapa. Isso vem se repetindo desde o início do campeonato e precisa ter fim”, finalizou.

.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade

Escolha seu time

  • Chapecoense
  • Criciúma
  • Figueirense
  • JEC
  • Avaí
Publicidade