Publicidade
Terça-Feira, 18 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 16º C

Em busca do Tri no JASC, Florianópolis conta com a experiência a seu favor

São os heróis da resistência

Liana Coelho
Florianópolis
Alexandro Albornoz/ND
Ceará busca seu oitavo título nos JASC

 

Não é novidade que a idade chega para todos, mas quando o assunto é JASC (Jogos Abertos de Santa Catarina), eles costumam se comparar ao vinho: quanto mais velho, melhor. Sérgio de Castro (Ceará), Oscar Grando e Paulo Dutra (Guiga) são os chamados “heróis da resistência” de Florianópolis e, há mais de décadas, representam a Capital na disputa.

Em 2011, a busca pelo tricampeonato em Criciúma conta com a ajuda desses experientes atletas, que fazem questão de ressaltar a importância dos jogos abertos ao longo das carreiras. “O JASC foi indispensável na minha carreira. É uma maneira de incentivar os municípios a praticar o esporte e de gerar empregos aos atletas e técnicos. Além disso, coloca o Estado no cenário nacional. Alguns catarinenses que começaram a prática do esporte nos jogos abertos, hoje se destacam nas competições nacionais”, comentou Ceará, que joga vôlei de praia no JASC desde 1998 e já foi sete vezes campeão.

Para Oscar, ex-atleta de judô e atualmente treinador da equipe de Floripa na modalidade, o JASC é importante não só na formação dos atletas, mas também na conduta da personalidade de cada esportista.  “Durante todos esses anos de competição que participei, os jogos abertos incentivaram no trabalho e na criação de esportes, como escolinhas, competições e treinamentos que envolvem pessoas da comunidade de Florianópolis”, explicou Oscar, enquanto mostrava os 98 trofeus que o judô já venceu ao longo dos anos.

Desde 1991 competindo no karatê dos jogos abertos, Guiga afirma que o JASC foi o primeiro passo da carreira. “Depois das categorias de base, os jogos abertos passam a ser a primeira competição importante que os atletas disputam. Depois vem as nacionais e internacionais”, completou. Com tantos anos de experiência contando a favor de Floripa, fica mais fácil sonhar com o Tri.

Túnel do tempo

Figuras conhecidas nos jogos abertos, os três heróis comentam como manter o vigor e continuar vencendo no JASC, mesmo com o passar dos anos. Ceará, que fica exposto ao sol por muito tempo, ressalta a necessidade de cuidados com a saúde. “No vôlei de praia, é preciso ter um bom preparo físico em função do sol, por isso é importante sempre ter água ou repositor energético, além do uso indispensável de boné, óculos e protetor solar”, disse.

Já Oscar teve outro incentivo ao longo do tempo e é o mesmo aprendizado que tenta passar à equipe de judô. “Tive um professor que me incentivou e ensinou muito. Ele era japonês e trouxe toda a filosofia, cultura, tradição e disciplina da arte marcial. Hoje, Floripa é referência no JASC e sempre se destacou pela eficiência e pelos bons resultados”, enfatizou Oscar.

Para Guiga, o segredo para continuar vencendo no JASC são os treinamentos pesados. “Já conquistei 14 medalhas nos jogos abertos e quero ganhar ainda mais. Para isso, treinamos forte desde fevereiro e sempre com o objetivo bem claro em mente: trazer o título para Floripa”,  finalizou.

Perfil

Nome: Paulo Roberto Dutra (Guiga)

Cidade: Florianópolis, Santa Catarina

Data de nascimento: 12/06/54

Modalidade: Karatê

Participa do JASC desde 1977

 

Nome: Oscar César Grando

Cidade: Veranópolis, Rio Grande do Sul

Data de nascimento: 11/01/1958

Modalidade: Judô

Participa desde 1977 do JASC

 

Nome: Sérgio Rodrigo de Castro (Ceará)

Cidade: São Luís, Maranhão

Data de nascimento: 28/06/1968

Modalidade: Vôlei de Praia

Participa desde 1998 do JASC

Publicidade

0 Comentários

Publicidade

Escolha seu time

  • Chapecoense
  • Criciúma
  • Figueirense
  • JEC
  • Avaí
Publicidade