Publicidade
Sábado, 22 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

Grupo de ativistas pela paz entre Israel e Palestina organiza encontro de surfe na Barra da Lagoa

Surfistas vão promover uma corrente humana às 9h desta segunda-feira para simbolizar pedido por fim do conflito

Matheus Joffre
Florianópolis

Cariocas radicados em Florianópolis, os irmãos Rafael e Deborah Tercoch de Albuquerque são de origem judaica. Ele passou quatro meses em Israel, conhecendo a cultura local e estreitando relações com outros jovens de mesma ascendência através de um programa de intercâmbio financiado pelo governo israelense.

 

Marco Santiago/ND
Surfe supera as diferenças, defendem Kamal, Rafael, Deborah e Samuel


Ela é monitora de um movimento juvenil judaico em Floripa e morou um ano em kibutz (comunidades autossustentáveis), em Jerusalém e também próximo à Faixa de Gaza. Pelo menos seis vezes, acordou no meio da noite com estrondos e a sirene do alarme antibomba soando e teve que correr para se refugiar nos bunkers (fortificação militar, geralmente subterrânea).

Kamal Said é chileno, mora em Florianópolis há cinco anos e tem origem árabe. A última vez que visitou a terra de seu pai, a Palestina, era criança. Sua família nunca passou grandes dificuldades na região, mas a guerra para ele é um assunto áspero, que machuca.

Com pontos de vistas, por vezes, diferentes sobre o conflito, os três têm em comum a paixão pelo surfe que vai unir outras dezenas de surfistas de origem judaica e palestina em uma corrente pela paz, nesta segunda-feira, às 9h, na Barra da Lagoa, no Dia Mundial do Esporte para o Desenvolvimento e a Paz, decretado pela ONU (Organização das Nações Unidas) no ano passado.

O evento, inédito em Florianópolis, é organizado pela ONG Surfing 4 Peace. (Surfe pela Paz, na tradução livre). “Fiquei sabendo do encontro pelo Facebook e achei incrível. A gente tantas mensagens de ódio nas redes sociais e um movimento como esse, pela paz entre judeus e palestinos é super legal”, afirmou Deborah.

“O surfe é um esporte agregador. As pessoas podem pensar diferente, mas compartilhar as mesmas ondas”, destacou Rafael. “Judeus, árabes, palestinos, brasileiros, todo mundo é igual perante a grandeza do mar”, ressaltou Kamal.

ONG surgiu em 2007

Sensibilizado com a foto de dois palestinos surfando com pranchas obsoletas na Faixa de Gaza, em uma reportagem do Los Angeles Times, o surfista norte-americano Dorian Paskowitz viajou até a zona de conflito, em 2007, para doar equipamentos novos aos palestinos e ajudar a desenvolver o surfe na região.

Doc, como era conhecido, contou com o apoio do 11 vezes campeão mundial Kelly Slater, que tem origem síria, e fundou a ONG Surfing 4 Peace. O surfista benfeitor morreu em novembro do ano passado, mas seu projeto de romper as barreiras do conflito entre Israel e Palestina com o surfe segue forte.

“Além da doação de pranchas e equipamentos para os surfistas da Faixa de Gaza, também ampliamos o projeto para todo o entorno do Mediterrâneo. A ideia é formar uma rede de intercâmbio entre surfistas desta zona de conflito”, contou o francês Samuel Jacquesson, que mora em Florianópolis há cinco anos e é responsável pela ONG no Brasil.

Depois da edição bem sucedida na França no ano passado, o Surfing 4 Peace chega ao Brasil com uma série de atividades. Durante uma semana, surfistas latino-americanos de origem judaica e palestina e ativistas da paz trocarão experiências sobre surfe e o conflito entre Israel e Palestina, em Florianópolis.  

“O Brasil é um país multicultural e escolhemos Florianópolis porque é uma cidade que tem tudo a ver com causa”, ressaltou Jacquesson.

Mapa

Antes parte do Império Turco-Otomano, a região da Palestina passou ao controle da Grã-Bretanha após a vitória dos Aliados na Primeira Guerra Mundial. Até 1946, cerca de 350 mil árabes e 80 mil judeus ocupavam o território. Aos poucos, movidos pelo movimento sionista (que pregava a criação do Estado de Israel), os judeus passaram a migrar em massa para a região.

Em 1947, depois da Segunda Guerra, a ONU decidiu dividir o território entre judeus e palestinos e pela criação do Estado de Israel, como forma de amenizar os efeitos da perseguição nazista e do holocausto sobre o povo de Abraão. Os judeus aceitaram a decisão, os árabes, não.

Vários conflitos opuseram Israel e palestinos desde então. Em 1967, na Guerra dos Seis Dias, Israel ocupou a parte Leste de Jerusalém, a Cisjordânia e Faixa de Gaza, que formariam o Estado Palestino, que nunca foi criado. Ao longo dos anos, houve várias tentativas de acordos de paz e surgiram diversos grupos terroristas como o Hamas, na Faixa de Gaza, e o Fatah, na Cisjordânia, e a tensão na área nunca deixou de existir.

Segundo dados da ONU, o conflito em Gaza matou mais de 2.200 palestinos e 72 israelenses apenas no ano passado. Estima-se que a guerra já tenha matado mais de 23.700 pessoas. Em fevereiro, o vice-secretário-geral da ONU, Jan Eliasson, reafirmou o compromisso da entidade em criar o Estado da Palestina para colocar um ponto final no conflito.


Programação

Segunda-feira, dia 6

Dia Mundial do Esporte para o Desenvolvimento e a Paz

► 09h: Círculo de Paz na Barra da Lagoa com a comunidade e surfistas profissionais

► 18h30: Projeção do documentário “God Went Surfing with the Devil” no Auditório do Centro de Filosofia e Ciências Humanas da UFSC.

► 21h: festa aberta ao público.

Local: Gastropub Naskina, Rio Tavares

 

Terça-feira

► 08h: Surfe treino com a supervisão do instrutor de surfe Paulo Eduardo (Surf up)

► 14h às 15h30: Intervenção no Colégio de Aplicação da UFSC

 

Quarta-feira

► 07h: Dia de surfe livre em Garopaba, Lagoinha do Leste ou outra praia dependendo das condições climáticas e marinhas.

 

Quinta-feira

► 07h: Surfe matutino, local a ser definido de acordo com as condições climáticas e marinhas

► 14h às 15h30: Intervenção no Colégio de Aplicação da UFSC

► Fim de tarde: atividades na praia, treino de surf ou stand up na Lagoa da Conceição

 

Sexta-feira

► 08h30: Surfe treino com Marina Rezende e Josué Rezende, da Surf Training, na Praia Mole

► 17h Workshop de capoeira com Cordão de Ouro Florianópolis - Mestre Habibs

► 21h Festa de encerramento do evento - local a definir

 

Publicidade

0 Comentários

Publicidade

Escolha seu time

  • Chapecoense
  • Criciúma
  • Figueirense
  • JEC
  • Avaí
Publicidade