Publicidade
Domingo, 18 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 21º C

Garoto do São Paulo encara goleiros, fala manso e quer tatuar troféus

Júnior chamou a atenção na Florida Cup por converter pênaltis contra River Plate (ARG) e Corinthians e ainda ficar olhando para os arqueiros adversários: 'É só meu jeito'

LANCE!
São Paulo (SP)

 Júnior, em ação no CT da Barra Funda  -  (Foto: Felipe Espindola/saopaulofc.net)
Júnior, em ação no CT da Barra Funda - (Foto: Felipe Espindola/saopaulofc.net)

O São Paulo tem apresentado caras novas para a torcida nesta temporada. Uma delas tem jeito de mau, tatuagens na cabeça e fez questão de encarar os goleiros adversários após converter seus pênaltis durante a conquista da Florida Cup. O lateral-esquerdo Júnior, porém, tem fala mansa e mostra pés no chão no início da carreira no Tricolor Paulista.

- Foi uma estreia boa, em um clube fantástico onde sempre sonhei jogar. A estreia foi espetacular, contra o River Plate (ARG), um rival forte, e uma vitória nos pênaltis com uma cobrança convertida por mim. O grupo deu seu máximo, foi tudo muito bom e guardarei para o resto de minha vida - contou o garoto de 20 anos, em entrevista ao LANCE!.

A primeira vítima do camisa 16 foi o goleiro Bologna, do River. Bola de um lado, arqueiro de outro e olhar firme para o adversário. Depois, na final, Cássio até chegou perto de recolocar o Corinthians na briga, mas o chute de Júnior foi mais forte. A encarada, também.

- Eu bati, converti e olhei para o Sidão, para mandar forças na hora de defender os pênaltis. É só meu jeito, sou assim (risos). Não tem nada disso (de intimidar) - esquivou-se o defensor.

O São Paulo não é o primeiro clube profissional de Júnior. Antes de aceitar o empréstimo para o sub-20 do time paulista no ano passado, chegou a fazer 11 partidas pelo Grêmio e mais oito pelo Joinville. No clube gaúcho, ganhou prestígio na última passagem de Luiz Felipe Scolari, ganhou contrato alto, mas se desviou na carreira. Precisou parar, colocar a cabeça no lugar e recomeçar.

Para ir a Cotia, pediu que o Grêmio reduzisse seu salário. Para ser comprado pelos são-paulinos, manteve os vencimentos baixos. Agora, quer coroar essa recuperação com sucesso no Tricolor Paulista. E a promessa é comemorar as taças que conquistar com novas tatuagens, além das que já apresenta em um lugar nada comum: a cabeça.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade

Escolha seu time

  • Chapecoense
  • Criciúma
  • Figueirense
  • JEC
  • Avaí
Publicidade