Publicidade
Quarta-Feira, 26 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 19º C

Arena Condá fica lotada em homenagem às vítimas do acidente com avião da Chape

Milhares de pessoas se reuniram para homenagear jogadores, dirigentes e jornalistas que estavam no avião que caiu na terça-feira

Redação ND
Chapecó
01/12/2016 às 00H29
Homenagem é feita na Arena Condá, em Chapecó - Diogo Maçaneiro
Homenagem às vítimas na Arena Condá, em Chapecó - Diogo Maçaneiro

Na noite desta quarta-feira (30), Chapecó se uniu. Os filhos desta terra foram à Arena Condá e como quem procura a segurança e o carinho dos seus próximos, a população chapecoense lotou o estádio para homenagear os jogadores mortos no acidente aéreo da madrugada de terça-feira (29), na Colômbia.

>> Áudio mostra piloto pedindo para pousar por 'falha elétrica total e de combustível'
>> Chapecoense espera 100 mil pessoas para velório coletivo na Arena Condá
>> Luzes se apagaram repentinamente, diz sobrevivente de acidente

Homenagem às vítimas na Arena Condá, em Chapecó - Daniel Queiroz/ND
Homenagem às vítimas na Arena Condá, em Chapecó - Daniel Queiroz/ND


Em meio à dor da multidão de torcedores, familiares, jogadores e jornalistas, estava um casal sentado em frente às cadeiras sociais do estádio. Emanuele Schardong, 28 anos, e o marido Juliano Baggio, 29. Em determinado momento, eles se viraram para a cabine da rádio Chapecó, onde o pai da jovem trabalhava. Fernando Doesse, locutor da emissora foi uma das 71 vítimas da tragédia. O choro incontido só cessava pelo alento de saber que a perda não foi em vão.

“Saber que ele estava vivendo intensamente a Chapecoense, estava fazendo o que gostava quando morreu, me acalma o coração”, desabafou, com um suspiro de alívio.

Emanuele Schardong e o marido, Juliano Baggio - Daniel Queiroz/ND
Emanuele Schardong e o marido, Juliano Baggio - Daniel Queiroz/ND


Mãe do garoto Victor, de 11 anos, Emanuele se mudou para Chapecó por causa do pai, vindos de Ibirubá, no interior do Rio Grande do Sul, em 2006.

Do outro lado da Arena Condá estava Adson Batista Medeiros. Torcedor do Criciúma e muito emocionado, ele acompanhou a mulher Fernanda Arno, nascida em Chapecó. “Achei que depois do que aconteceu com o Brasil de Pelotas, não poderia ter algo pior, mas teve”, lamentou.

Enquanto isso, em Medellín, uma cerimônia no estádio do Atlético Nacional reuniu autoridades colombianas e brasileiras. Estádio lotado, cantos, palmas no que deveria ser um jogo de futebol, mas em campo, havia apenas um time, pois o outro nunca mais conseguirá chegar para esta partida.

Homenagem às vítimas na Arena Condá, em Chapecó - Daniel Queiroz/ND
Homenagem às vítimas na Arena Condá, em Chapecó - Daniel Queiroz/ND



Publicidade

0 Comentários

Publicidade

Escolha seu time

  • Chapecoense
  • Criciúma
  • Figueirense
  • JEC
  • Avaí
Publicidade