Sexta-Feira, 25 de Maio de 2018
Descrição do tempo
  • 21º C
  • 14º C

Tecnologia, inovação e lugares para conhecer

Especial - Palhoça 124 anos - Arte/ND
Especial - Palhoça 124 anos - Arte/ND

#Palhoça124anos

Tecnologia, inovação e lugares para conhecer

#124anos

Palhoça comemora 124 anos de emancipação político-administrativa nesta terça-feira (24). Considerada uma das cidades que mais cresce no Brasil, durante muito tempo se destacou no setor da construção civil, que ainda é forte. Porém, nos últimos anos, o município tem chamado atenção devido ao crescimento de outro segmento: o de tecnologia e inovação. Em homenagem a data comemorativa, o Notícias do Dia foi até a Palhoça para conhecer um pouco mais do parque tecnológico da cidade.

Somente no último ano, 250 novas empresas, a maioria de tecnologia e inovação, se instalaram no parque tecnológico na Pedra Branca, em Palhoça. O setor apresentou crescimento significativo na região nos últimos anos devido a incentivos como o programa Inova Palhoça, da prefeitura municipal, que auxiliou a abertura de 3 mil novas empresas na cidade desde 2013. O programa possui quatro pilares fundamentais: incentivos econômicos, atração de investimentos, financiamento e formação empreendedora.

#CrescimentoeInovação 

>> Confira a entrevista completa com o prefeito de Palhoça

#EmpresasInovadoras 

Entre os incentivos propostos está a isenção de impostos como o ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis) e ISS (Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza), além do retorno de uma cota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). A prefeitura também formou o Fundo Municipal de Inovação utilizando a arrecadação do ISS para investir em empresas inovadoras que se instalem na cidade sem depender de recursos orçamentários.

 Em 2010, foi fundado o Inaitec (Instituto de Apoio à Inovação, Ciência e Tecnologia), que também auxilia o desenvolvimento de empresas no município. “Atualmente o bairro Pedra Branca possui mais de 900 CNPJ ativos, com aproximadamente 7 mil postos de trabalho, que possuem faturamento anual superior a 1 bilhão de reais”, contou o diretor executivo do instituto, Diego Chierighini. Ele relaciona o crescimento do interesse por empresas ligadas a inovação e economia criativa ao ecossistema instalado no bairro, com incubadoras, coworkings, infraestrutura e leis municipais voltadas para atração desse tipo de empresa.

Aniversário de Palhoça  - Daniel Queiroz/ND
Aproximadamente 30% das empresas do bairro são consideradas empresas inovadoras - Daniel Queiroz/ND

Diego explicou que a procura e a instalação das empresas vem ocorrendo de modo natural. “Temos empresas que se instalam por meio dos programas de incubação (Inaitec e Ilab - Unisul), outras procuram os coworkings e as mais consolidadas acabam se encantando pelo local, pela comunidade e pela legislação municipal”, disse. Aproximadamente 30% das empresas do bairro são consideradas empresas inovadoras, pois de alguma forma se diferenciam em seu produto, processo ou tecnologia.

#Movti

Foi justamente o ecossistema de inovação proporcionado na Pedra Branca que atraiu os amigos Rômulo Simas e Douglas Zanatta, que fundaram a Movti em uma das salas do coworking Opens Space em janeiro de 2016. “Outra coisa importante é o que representa a própria Cidade Universitária Pedra Branca, por ser uma smart city, por ser um projeto único até mesmo a nível Brasil e América Latina, foi algo que chamou muito a nossa atenção. É um conceito muito diferenciado. A gente enxergou muitas qualidades nisso, que a gente poderia utilizar também para os nossos colaboradores”, comentou Douglas.

Movti -  aniversário de Palhoça  - Daniel Queiroz/ND
 Rômulo Simas e Douglas Zanatta fundaram a Movti - Daniel Queiroz/ND

“Começamos eu e o Douglas somente, em uma sala. Dois anos depois, estamos com 22 pessoas e fechamos um andar. Então, tem muito desses elementos que nos ajudaram nesse crescimento”, disse Rômulo, que também destaca os profissionais de qualidade vindos da universidade presente no bairro. A Movti é uma das menos de dez empresas com selo de parceria premier do Google no Brasil e leva soluções inteligentes de trabalho ao mercado, para proporcionar às empresas mais inovação, aumento na produtividade das equipes e redução de custos.

Rômulo Simas e Douglas Zanatta da Movti  - Daniel Queiroz/ND
Rômulo Simas e Douglas Zanatta da Movti - Daniel Queiroz/ND

#ImpactHUB

Outro espaço de coworking inserido na Pedra Branca é o Impact HUB, que é uma rede global com salas em Nova York, Sydney e Barcelona, e atende empreendedores de diversos setores que moram na região continental da Grande Florianópolis. “Na metade de 2016, começamos uma pesquisa de mercado, fizemos vários eventos na Pedra Branca e íamos monitorando o interesse das pessoas. Lançamos também um questionário, perguntando quem gostaria de se tornar membro do HUB na região e tivemos cerca de 200 respostas. Em outubro do mesmo ano, inauguramos aqui no edifício Atrium”, contou a gestora da unidade do HUB na Pedra Branca, Maíra Rodrigues.

Impact Hub  - Daniel Queiroz/ND
Gestora da unidade do HUB na Pedra Branca, Maíra Rodrigues - Daniel Queiroz/ND

A empresa também possui uma unidade em Florianópolis e, segundo Maíra, um dos desafios ao abrir a sala na Pedra Branca foi perceber a diferença entre os públicos de cada local. “Tivemos que ir nos adaptando. Tem certas coisas, certos tipo de evento, que o pessoal daqui não têm tanto interesse quanto o de lá. Então, nós fomos testando. Uma questão chave também foi o preço, uma diferença que parecia pequena para nós era decisiva na hora de fechar um negócio. Então, baixamos um pouco o preço aqui”, explicou.

#Welle

Já os irmãos gêmeos e engenheiros mecânicos Rafael e Gabriel Bottós optaram por empreender em Palhoça devido às questões de espaço e logística. Formados pela UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), eles fundaram a Welle Tecnologia Laser, que produz máquinas de marcação e de corte a laser, em Florianópolis. “Dentro da Palhoça, a gente se colocou na Pedra Branca, que é um ambiente muito agradável. Acho que deve ser um dos lugares que melhor aliam a qualidade de vida e indústria e tem potencial de crescimento para investimentos que tem hardware”, disse Rafael Bottós.

Rafael Bottós proprietário da Welle  - Daniel Queiroz/ND
Rafael Bottós é proprietário da Welle - Daniel Queiroz/ND

Rafael conta que quando fizeram a mudança, a empresa perdeu cerca de 30% da equipe que tinha na Ilha. “É um número razoável, mas a gente conseguiu substituir esse percentual de uma forma muito rápida. A gente tem acesso a mão de obra qualificada aqui na Unisul, na UFSC, na Udesc e também nos IFSC”, contou. Para ele, a Pedra Branca alia um ambiente onde com serviços — supermercado, sorveteria, restaurantes, lazer — e a comodidade de se locomover para vários destinos de maneira mais rápida, por estar próximo de aeroportos e portos.

Welle  - Daniel Queiroz/ND
Welle Tecnologia Laser produz máquinas de marcação e de corte a laser,  em Florianópolis - Daniel Queiroz/ND


#Mobilis 

A Mobilis, empresa que projeta veículos elétricos viáveis para uso no Brasil, com visão e padrões globais, surgiu no fim de 2013, também em Florianópolis. Os sócios, Marcos Rafael Dal Moro, Paulo Bosquiero Zanetti, Thiago Hoeltgebaum e Mahatma Marostica dos Santos, ainda mantém o escritório próximo da UFSC, mas é na oficina localizada na Pedra Branca que é feita a produção de veículos. “Nós fomos incubados no Inaitec, que tinha mais a nossa cara e é do ladinho do parque industrial da Pedra Branca. A incubadora foi muito legal na questão de recursos e estar sempre propondo melhorias. Acho que esse foi um fator decisivo de levarmos a empresa para lá”, explica Thiago.

Proprietários da Mobilis - Arquivo pessoal/Divulgação/ND
Marcos Rafael Dal Moro, Paulo Bosquieiro Zanetti, Thiago Hoeltgebaum e Mahatma Marostica  são os proprietários da Mobilis - Arquivo pessoal/Divulgação/ND

Atualmente, a Mobilis produz o Li, um modelo compacto projetado para uso em condomínios, campos de golf e outros locais fechados. Porém, desde o início, a ideia dos sócios era levar carros elétricos nacionais para as ruas, o que Thiago acredita que pode acontecer a partir do próximo ano. “Como a produção ainda é pequena, não justifica termos pessoal lá na Pedra Branca. Por isso, a gente acaba não aproveitando tanto o município da Palhoça e os incentivos fiscais bem competitivos. Mas a gente tá numa fase de virada, tá entrando um investimento maior, e a intenção é estruturar cada vez melhor a nossa sede”, contou ele.

Mobilis  - Arquivo Pessoal/Divulgação/ND
A Mobilis projeta veículos elétricos viáveis para uso no Brasil - Arquivo Pessoal/Divulgação/ND

#Futurodacidade 

Vale lembrar que Palhoça não é só tecnologia. Do Centro da cidade às praias, há muita história e muitas paisagens urbanas e naturais para conhecer e admirar.

#Palhoça124anos: quatro lugares que você deve visitar

A equipe do Notícias do Dia fez uma seleção de quatro locais que um visitante de Palhoça não pode deixar de conferir. A experiência começa na Praça 7 de setembro, no Centro, onde é sempre possível encontrar uma turma de jogadores de dominó e ouvir boas histórias sobre o município.

Uma passada pelo Parque Estadual da Serra do Tabuleiro é fundamental para quem quer vivenciar a natureza e aprender sobre a fauna e a flora da região, enquanto uma visita ao Passeio Pedra Branca irá garantir uma tarde agradável para toda a família. Para concluir essa seleção, nada mais justo que explorar a praia da Guarda do Embaú de uma forma diferente: conhecendo uma trilha que garante uma vista incomparável do local. 

Reportagem: Marina Simões
Captação de imagens: Daniel Queiroz e Gustavo Bruning
Edição de vídeo: Gustavo Bruning e Marina Simões
Social media: Kalynka Albuquerque
Edição geral: Sendy Luz