Publicidade
Terça-Feira, 18 de Dezembro de 2018
Descrição do tempo
  • 31º C
  • 22º C

PSDB dividido na campanha pela prefeitura de Palhoça

Dúvida. Presidente do partido no município pediu impugnação de Ivon, e é acusado de defender interesses pessoais

Fábio Bispo
Florianópolis

A decisão do TER-SC (Tribunal Regional Eleitoral), que negou a candidatura de Ivon Jomir de Souza à prefeitura de Palhoça, acabou por evidenciar divergências dentro do PSDB na cidade. O tribunal entendeu que convenção partidária no município não é legitima. O pedido aceito pelo juiz Marcelo Ramos Peregrino Ferreira foi ingressado pelo presidente do diretório municipal, Carlos Alberto Fernandes. Em seu parecer, o juiz entende que a situação pode ser resolvida com a substituição do candidato. Ivon disse que vai recorrer no Tribunal Superior Eleitoral da decisão, afirmando que a campanha continua.

O candidato diz que sofre perseguição política dentro do partido na cidade, mas que conta com o apoio do PSDB estadual. “Qual partido tem interesse em impugnar uma candidatura líder nas pesquisas?”, indagou Ivon. Segundo o delegado estadual do PSDB, Sérgio Luiz Gomes, o partido tanto em âmbito estadual quanto nacional colocou toda a sua estrutura jurídica à disposição do candidato Ivon. “Trata-se de uma discussão pontual e o partido esta unido pela candidatura de Ivon”, declarou Gomes.

Questionado sobre os motivos que levaram a divisão do partido em Palhoça, o delegado acredita que possivelmente a briga possa ter ligação com os cargos que o presidente do partido e o secretário ocupam na atual gestão. Os dois foram os motivadores da ação que recusou a candidatura. “Os cargos que eles ocupam são por questões pessoais e não por indicações do partido”, finalizou Gomes.

O PSDB realizou duas convenções em Palhoça, a primeira no dia 17 e outra, dia 30. Ivon saiu como o vencedor da primeira convenção, e homologou seu pedido de candidatura à prefeitura. Logo em seguida, o presidente do partido, Carlos Alberto, o Caco, ingressou na Justiça contra a decisão e conseguiu a suspensão da candidatura.

Votos sub judice

Caco, o presidente do partido na cidade, informou que em 10 dias o partido decide se fará a substituição da candidatura. Ele negou que o diretório estadual esteja apoiando Ivon. “O diretório é composto por mais de 50 pessoas, tem os que estão apoiando Ivon, mas tem os que não”, declarou Caco. O partido disse que ainda não tem um nome para a substituição.

O presidente do partido ainda rebateu as acusações de que o pedido de impugnação de Ivon estivesse ligado com a condição de alguns membros que trabalham na atual gestão. “A candidatura é irregular, por isso não apoiamos”, disse Caco.

Caso o recurso no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) não seja julgado antes das eleições, e Ivon prosseguir com a candidatura, os votos computados no seu nome ficarão sub judice até que o caso seja julgado.

Recentemente o candidato promoveu uma caminhada pelas ruas de Palhoça que contou com a presença do senador Paulo Bauer; os deputados estaduais Marcos Vieira e Serafim Venzon, além do atual vice-prefeito de Palhoça Valmir Walmor Schwinden; todos do PSDB.

Publicação

Ontem uma Publicação Legal, veiculada nos jornais, convocava uma reunião extraordinária para os membros da executiva municipal do PSDB. A publicação foi pedida pelo vice-presidente do partido no município, Valmir Valmor Schwindem e o atual candeidato à prefeitura, Ivon Jomir de Souza.

O presidente do partido disse desconhecer a convocação e informou que o partido esta tomando as providências sobre a publicação. “Fiquei sabendo quando li no jornal. Isso não é oficial”, comentou.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade