Publicidade
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Descrição do tempo
  • 30º C
  • 23º C

Mais de 2.000 pessoas fazem vigília em memória das vítimas do acidente com a Chapecoense

À 1h15, os sinos tocaram por minutos e ecoavam no silêncio de Chapecó, que vive mais um dia de luto

Folha de São Paulo
São Paulo
29/11/2017 às 11H38

DANILO LAVIERI

CHAPECÓ, SC (UOL/FOLHAPRESS) - Cerca de 2.000 pessoas saíram às ruas de Chapecó na madrugada desta quarta-feira (29) e lotaram a Catedral Santo Antônio no centro da cidade para homenagear as 71 vítimas da maior tragédia da história com uma delegação esportiva. Mesmo depois de um ano da queda do avião, é possível ver que a cidade ainda sente as dores da inesquecível noite de 29 de novembro de 2016. Na concentração na Arena Condá, antes de se dirigir à igreja, as arquibancadas foram tomadas pelo verde e branco do uniforme da Chapecoense.

As cores se misturavam também com os vários uniformes do Atlético Nacional, equipe colombiana que seria o rival na final da Sul-Americana de 2016 e que ganhou o status de irmã após toda a solidariedade prestada. O assunto em qualquer parte do estádio era o mesmo: entre lágrimas e abraços, lembrar em qual situação cada torcedor soube da notícia que nunca mais seria esquecida. A Arena Condá ficou aberta o dia inteiro e recebeu pequenas homenagens, como velas, fotos, cartazes, bandeiras e até cartas depositadas em uma cápsula do tempo.

Depois, por volta da 0h30, todos saíram em um silêncio ensurdecedor para uma caminhada de aproximadamente 700 metros até a Catedral Santo Antônio. Os únicos barulhos eram dos cachorros, assustados com a movimentação na madrugada, e dos flashes dos fotógrafos, tentando registrar o ato simbólico. Ao chegar, todos os lugares foram ocupados rapidamente e filas se formaram na entrada do local para acompanhar de perto o ato. Do lado de fora, torcedores da organizada da Chapecoense balançavam de forma ininterrupta os bandeirões do time, alguns deles lembrando os mortos, como Bruno Rangel "Matador".

À 1h15, os sinos tocaram por minutos e ecoavam no silêncio de uma cidade que vivia mais um dia de luto. Orações e lágrimas foram vistas até o fim da cerimônia, já perto da 1h30. Nesta quarta-feira, às 18h30, mais uma missa será celebrada. Na Arena e na igreja, as vítimas foram homenageadas também com os gritos de guerra, como o famoso "Vamo, Vamo Chapê". A cerimônia ainda teve a presença de Rafael Henzel, jornalista que sobreviveu ao acidente, de familiares de alguns dos mortos, de dirigentes da Chapecoense e de autoridades locais, como o prefeito Luciano Buligon.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade