Publicidade
Quarta-Feira, 24 de Maio de 2017
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 18º C

Os bastidores, a informação bem apurada, a opinião fundamentada e sem papas na língua você encontra aqui, com Paulo Alceu, um dos mais competentes jornalistas em atividade, com décadas de experiência na cobertura política nacional e internacional. Com colaboração do editor de Política, Altair Magagnin.

  • Colombo dá resposta sutil após protocolo de dois pedidos de impeachment na Assembleia

    O PSOL e o Fórum de Lutas, que congrega vários sindicados de servidores públicos, ingressaram com pedidos de impeachment contra o governador Raimundo Colombo. O PSOL por conta das delações. O Fórum de Lutas, por uso indevido de verbas da Celesc, caracterizando crime de responsabilidade. Acusam, com base em relatos do TCE, o desvio de finalidade de R$ 1 bilhão em impostos devidos. Agora, dependerá inicialmente de uma análise da Procuradoria da Assembleia referente à inadmissibilidade dos pedidos. Esse estudo legal não tem prazo. A partir daí, sendo preenchidas todas as exigências, será criada uma comissão de parlamentares para dar inicio ao processo. Por enquanto, está em fase de análise, sem data de conclusão.

    Enquanto isso, o governador, em relação a esses pedidos, expressou que vai trabalhar ainda mais para garantir que Santa Catarina continue crescendo e gerando empregos. Nesta terça, por exemplo, posou no lançamento da ordem de serviço do asfaltamento[...]

    Leia mais
  • Colombo defende 40 anos na vida pública: "injusto que um vagabundo ofenda todo o trabalho"

    Referindo-se à delação da JBS, o governador Raimundo Colombo, que esteve segunda-feira no evento da SCGás, não mediu palavras, misturadas com forte indignação. “Delator sob pressão vende até a mãe. Foi o que esse sujeito fez. É de uma irresponsabilidade absurda. Espero que seja tratada com a responsabilidade que nós merecemos. São mais de 40 anos na vida pública e é injusto que um vagabundo desses se expresse desta forma e ofenda todo um trabalho que nós fizemos.”

    Colombo afirma que a empresa não tem contratos com o governo do Estado - Arquivo/ND
    Arquivo/ND



  • Dependesse do governador Colombo, o secretário Gavazzoni permaneceria na Fazenda

    Dependesse do governador Raimundo Colombo, o secretário Antonio Gavazzoni permaneceria na Fazenda. Mas, a decisão foi pessoal. Numa reunião informal no gabinete, ontem, com um grupo de colunistas, Gavazzoni repetiu várias vezes que estava abrindo mão do foro privilegiado para esclarecer esse caso o mais rápido possível. Caso que ele considera irreal, leviano e criminoso. Num misto de indignação e tristeza, afirmou que sente muito sair neste momento do governo mas, como advogado, vai trabalhar arduamente para se defender e  processar todo mundo. Negou, com veemência, qualquer tratativa que incluísse a Casan. Sobre os R$ 2 milhões entregues num supermercado em Florianópolis, considerou um absurdo. Deixou claro, neste sentido, que estava tranquilo, até porque, segundo ele, não faz o menor sentido. Sendo que a prova tem que ser de que afirmou que fez a entrega. E repetiu que vai tomar todas as providências sobre esses “caras” e isso não pode ser feito dentro do[...]

    Leia mais
  • "Não recebi nenhum centavo deste bando de ladrões", diz deputado catarinense sobre JBS

    O levantamento do ND no sistema de prestação de contas do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), que revelou um total de R$ 14 milhões em doações da JBS para candidatos catarinenses nas eleições de 2014, provocou ebulição nos bastidores políticos nesse fim de semana. Há relatos de muitas cobranças, por parte de eleitores e até de correligionários. Publicamente, a maioria adotou o silêncio. A justificativa padrão foi que as doações são legais, seguindo as regras vigentes, registradas na Justiça e aprovadas pelos órgãos competentes.

    Outro lado

    Um dos poucos que se manifestou foi o deputado federal João Rodrigues (PSD). Alega que os R$ 7.500 recebidos foram “em material de campanha vindo do diretório estadual do PSD, legalmente registrado”. “Não recebi nenhum dinheiro em espécie, nem quente, nem frio. Reforço que não recebi nenhum centavo deste bando de ladrões que assaltou o país”, disparou, por meio de nota ao ND.

    Rodrigues, ao microfone, na Câmara - Gustavo Lima/Câmara dos Deputados/ND
    Rodrigues, ao microfone, na[...]
    Leia mais