Publicidade
Sábado, 24 de Junho de 2017
Descrição do tempo
  • 23º C
  • 18º C
,

Os principais fatos da economia de Santa Catarina e do país com uma leitura descomplicada e acessível, evitando o “economês” e buscando sempre traduzir os assuntos mais importantes da área econômica para os leitores do ND. 

Franquia catarinense com charme parisiense planeja expansão

Sócias Bruna e Paula Vieira pretendem levar a Café du Centre para SP e RJ

Alessandra Ogeda
11/10/2016 11h03

A busca por algo diferente e a paixão por Paris, a capital francesa, levou as irmãs Bruna, psicóloga, e Paula Vieira, administradora de empresas e fotógrafa, a investirem na criação de uma cafeteria e doceria que lembrasse a Cidade Luz. “Notamos que em nossa região, apesar da concentração da cultura alemã e italiana, não havia nada do gênero que fosse tipicamente francês.”

O negócio foi aberto em 2014, em Itapema, já em meio ao desaquecimento da economia. Segundo elas, a receita para o empreendimento dar certo foi muito estudo, muita pesquisa e muita economia para concretizar o sonho de ver o empreendimento funcionando. “O mais importante é, primeiramente, gostar (e muito) do que se faz, planejar, ter uma boa estrutura e apresentar algo que o mercado tenha carência”, dizem elas.

No início, não se pensava em expansão. Mas a demanda e os frequentes questionamentos dos clientes levaram as irmãs a pensarem na possibilidade de ampliar o negócio. Uma consultoria foi contratada para estruturar os planos de crescimento e chegou-se à conclusão de que o melhor modelo era o de franquias.

As primeiras foram abertas no ano passado. A expectativa é encerrar 2016 com 10 unidades espalhadas em Santa Catarina e no Paraná. E o próximo passo é levar a Café du Centre a outros Estados: São Paulo e Rio de Janeiro. As conversas já começaram. Leia a seguir a entrevista com as empreendedoras:

 

 

BRUNA E PAULA VIEIRA – sócias da Café du Centre

 

Como surgiu a ideia do Café du Centre?

Mesmo atuando em nossas profissões queríamos algo diferente. Sempre fomos apaixonadas por gastronomia e pela cultura parisiense. Além disso, sentíamos falta de um local agradável para apreciar um café e uma saborosa comida nos finais de tarde. E notamos que em nossa região, apesar da concentração da cultura alemã e italiana, não havia nada do gênero que fosse tipicamente francês. Estudamos, pesquisamos bastante, economizamos muito e finalmente conseguimos realizar nosso sonho junto com nossa família. Uma cafeteria e doceria com ares parisienses – da fachada à decoração e trilha sonora - e, claro, um cardápio recheado de salgados típicos, cafés elaborados e sobremesas deliciosas.

 

Como é abrir um negócio em um ambiente conturbado? Quais os cuidados que se tomou para driblar esse cenário adverso?

É um desafio, mas não algo impossível. Percebemos que mesmo em períodos de crise, o brasileiro não abre mão de uma gastronomia de qualidade e é um grande apreciador de café. Trabalhamos muito, abrimos mão de muitas coisas, mas por fim colhemos os resultados. O mais importante é, primeiramente, gostar (e muito) do que se faz, planejar, ter uma boa estrutura e apresentar algo que o mercado tenha carência.

 

A Café du Centre está com planos de crescimento. Que planos são esses? Por que optou-se pelo modelo de franquia para expansão?

Nos preocupamos com a qualidade e não com a quantidade de franqueados. Nosso foco principal é encantar nosso público e proporcionar uma nova experiência a cada um que nos visita seja pelo ambiente agradável, familiar e intimista que o Café du Centre possui ou pela gastronomia. E isso tem gerado resultados desde o primeiro mês que abrimos a matriz em Itapema. No início não tínhamos intenção de criar um modelo de franquia, mas foi algo inevitável devido à grande adesão do público. Por estarmos em uma cidade turística muitos nos questionavam quando abriríamos em outro lugar e várias pessoas se interessaram pela marca. E desta forma começamos a pesquisar e estruturar, por meio da consultoria de uma empresa especializada, o modelo das franquias. Iniciamos o sistema de franquia em 2015 e em menos de 6 meses já tínhamos 6 unidades abertas. Devemos encerrar este ano com 10 unidades instaladas nas principais cidades de Santa Catarina e do Paraná.

 A escolha dos locais é estudada detalhadamente. O objetivo principal é concentrar o público que o Café du Centre atinge, ou seja, pessoas de paladares exigentes, que prezem pela qualidade da comida, do café e do ambiente.

 

Quais as expectativas para 2017. Que desafios a Café du Centre pretende atingir?

Para 2017 pretendemos abrir novas unidades na região Sul, em São Paulo e no Rio de Janeiro. Já estamos estudando algumas propostas e acreditamos que em breve teremos novidades.

 

Quais os custos/requisitos para se ter uma franquia da Café du Centre?

O investimento inicial é de cerca de R$ 250 mil. Buscamos por pessoas que sejam apaixonadas assim como nós por um bom café e dividir experiências ao redor da mesa e que queiram empreender. É necessário se encantar pelo Café du Centre.

 

Café du Centre

Sede: Itapema

Início das atividades: 2014

Área de atuação: rede de cafeteria e docerias

 

Onde está:

  • Itapema
  • Balneário Camboriú
  • Blumenau
  • Joinville
  • Florianópolis
  • Francisco Beltrão (PR)
  • Curitiba (PR)

Próximas unidades:

  • Maringá (PR)
  • Londrina (PR)
  • Cascavel (PR)
  • Chapecó

Mercados em análise

  • São Paulo
  • Rio de Janeiro

 

Investimento na franquia: R$ 250 mil

Faturamento estimado: R$ 80 mil a R$ 120 mil

Publicidade