Publicidade
Terça-Feira, 11 de Dezembro de 2018
Descrição do tempo
  • 30º C
  • 20º C

O dia-a-dia de Joinville e região contado por Luiz Veríssimo.

Empresário de Joinville foi convidado para concorrer a governador

Em dezembro, ele esteve em Brasília e recebeu o convite de Jair Bolsonaro

Luiz Veríssimo

Um conhecido empresário de Joinville pode ser candidato a governador de Santa Catarina pelo mesmo partido do pré-candidato Jair Bolsonaro, que recentemente trocou o partido “Patriota” pelo PSL. No encontro em Brasília, dia 14 de dezembro, Ney Osvaldo Silva Filho esteve no gabinete do deputado Bolsonaro e o convite foi feito. E aceito. Semanas depois, houve a mudança de partido do pré-candidato e o empresário viajou para o exterior. O resultado da reunião não evoluiu até o início deste ano.

O empresário, seu filho André e o sócio Gilson Thomé estiveram em Brasília atendendo convite de Bolsonaro. André Bornschein Silva postou uma foto em sua rede social ao lado do deputado federal e escreveu que “tive o imenso prazer de estar com nosso próximo presidente”.

“Meu nome está à disposição. Em Brasília aceitei o convite para presidir o partido (Patriotas) no Estado e concorrer a governador. Depois fui para o exterior e ele (Bolsonaro) mudou de partido. Não voltamos a conversar”, confirmou Ney Silva.

Empreendedor

A política não é novidade para este empresário de 67 anos. Na caminhada de Pedro Ivo Campos a governador, quando tinha 36 anos, teve papel importante como um dos coordenadores nas prévias e na sua campanha vitoriosa de 86. Participou ativamente na eleição de seu irmão Sérgio Silva a deputado estadual pelo PMDB em 1994. Sua origem partidária é a mesma de seu ex-sogro, Alberto Bornschein, já falecido, que era muito amigo de Pedro Ivo e o único empresário de Joinville que apoiava financeiramente o MDB no início do regime militar.

Ney Silva é um dos três atuais vice-presidentes para assuntos estratégicos da Fiesc (Federação das Indústrias de Santa Catarina). Durante mais de três décadas presidiu o Laboratório Catarinense e mais tarde fundou a ABPlast, duas das principais empresas do grupo. Hoje afirma ser “conselheiro” de seus dois filhos – um no Catarinense Pharma e outro na ABPlast. “Passei todo o patrimônio das empresas para eles” adiantou.

 

 

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade