Publicidade
Sábado, 24 de Junho de 2017
Descrição do tempo
  • 23º C
  • 18º C

O dia-a-dia de Joinville e região contado por Luiz Veríssimo.

  • Polícia Militar retira mulher do hospital antes da avaliação psiquiátrica

    Mulher foi retirada do hospital por prisão em flagrante - Divulgação/ND
    Mulher foi retirada do hospital por prisão em flagrante - Divulgação/ND


    A “peladona do Fátima”, como está sendo chamada a mulher de 29 anos que ficou por mais de 15 minutos caminhando nua no final da manhã de quarta-feira (21) no bairro Fátima, em Joinville, foi detida em flagrante pela PM e responderá inquérito (artigo 233) por ato obsceno em local público. No final da tarde desta quinta-feira (22), o 17º Batalhão da PM prometeu divulgar uma nota sobre o caso que teve grande repercussão nas redes sociais.

    T.R.R. foi conduzida ao Hospital Regional de Joinville, onde existe a única ala psiquiátrica da região Nordeste, às 12h26m de quarta-feira. Lá ela recebeu o primeiro atendimento por parte de um clínico geral e em seguida foi medicada. Quando estava esperando a segunda avaliação, desta vez com um psiquiatra, policiais militares a levaram para registrar a prisão em flagrante. O hospital está aguardando o retorno da paciente para esta segunda[...]

    Leia mais
  • Mulher circula nua em rua de Joinville, derruba proteção de casa e é contida pela PM

    T.R.R, que na sua página no Facebook diz que é vendedora autônoma, quebrou a rotina da zona Sul de Joinville na manhã desta quarta-feira (21). Na esquina das ruas Florianópolis com Agulhas Negras, no bairro Fátima, ela ficou completamente nua e falava em voz alta palavras desconexas ao se movimentar na calçada.

    Até uma proteção em uma das casas ela derrubou. Sem se importar com os presentes (até crianças) ela só foi parada quando uma viatura da PM chegou ao local. Muitos filmaram a aventura e postaram nas redes sociais. Depois de medicada, ela foi internada no Hospital Regional de Joinville, o único que tem uma ala psiquiátrica.

  • Obras de contenção de cheias forçarão o fechamento da Via Gastronômica

    Via gastronômica será fechada

    Poderia ser nos próximos meses, mas a Secretaria de Infraestrutura de Joinville (Seinfra) adiou para o início de 2018 as incomodas obras de contenção de cheias do rio Mathias. A justificativa é para evitar prejuízos maiores aos proprietários. O início das obras está definido para janeiro ou fevereiro, na chamada “baixa temporada”, quando a cidade fica “vazia” e o local apresenta seu menor movimento no ano. O secretário Romualdo França lembra que a construção destas galerias não podem ser feita em apenas um dos lados da rua Visconde de Taunay. A rua toda será bloqueada, mas haverá alternativa de liberar a entrada e saída por um dos lados que ficar mais distante da obra. O prejuízo na queda do movimento será grande, mas poderia ser ainda maior se as obras fossem feitas fora da “baixa temporada”.

    Mulher nua

    T.R.R, que na sua página no Facebook diz que é vendedora autônoma, quebrou a rotina da zona Sul na manhã[...]

    Leia mais
  • Crise política pode estar influenciando negativamente a economia de Joinville

    O ano continua sendo de recuperação no mercado de trabalho em Joinville, mas o mês passado não colaborou. Em maio, segundo estatística do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgada na tarde desta terça-feira, as demissões com carteira assinada superaram as admissões. Foi pouco, mas foi o único saldo negativo nestes primeiros meses do ano. Foram 6.790 admissões contra 6.807, representando um saldo negativo de 17. Foi uma interrupção brusca, já que no mês anterior (abril) houve um saldo positivo de 664 novos empregos.

    O crescimento na geração de emprego nos primeiros cinco meses do ano fechou com um saldo positivo de 3.247 novos empregos em Joinville. Não há uma explicação para esta interrupção na geração de empregos, mas uma das mais prováveis é a conseqüência da gravação da conversa do presidente da JBS com o presidente Michel Temer, além da votação no TSE sobre o mandato da chapa Dilma/Temer. A crise política deve ter[...]

    Leia mais