Publicidade
Quinta-Feira, 20 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 23º C
  • 18º C

A complicada Série D na vida do JEC: Serão 68 times brigando por quatro vagas

Juca Miguel

A quarta divisão do Nacional, que o Joinville terá de encarar em 2019, é muito complicada. Quando o Coelho passou por ela em 2010, a situação era mais simples. Diferente dos 68 clubes do formato atual, a Série D de 2010 contava com 40 clubes, com um regulamento “estranho”.

Na primeira fase, os 40 times eram divididos em 10 grupos de quatro. Os dois melhores avançavam à segunda fase. Até aqui tudo certo. O JEC ficou em primeiro do seu grupo na primeira fase e pegou o Irati-PR na segunda fase, ganhando no Paraná e em Joinville por 2 a 0.

Na terceira fase, o regulamento se tornava cômodo. O JEC enfrentou o Operário-PR (que na época escolheu perder para o JEC em Ponta Grossa para não ter de viajar para Manaus e ir para o Rio de Janeiro em função de custos. Na época, a Série D não tinha as despesas de viagem e hospedagem pagos pela CBF).

Vou explicar esse “escolheu perder”. O regulamento da terceira fase dizia assim. “Os 10 clubes sobreviventes se confrontam em um novo sistema de eliminação, no qual os cinco vencedores avançam à etapa seguinte. Além deles, continuam na briga os três perdedores de melhor desempenho na fase”. Como JEC e Operário-PR tinham feito uma boa campanha já estavam classificados para a próxima fase e poderiam “escolher” seus adversários. Na Arena um empate em 0 a 0 e em Ponta Grossa vitória do Tricolor por 1 a 0.

O JEC enfrentou o América-AM e o Operário-PR pegou a forte equipe do Madureira. O Tricolor acabou perdendo em Manaus por 2 a 1 e empatou em casa pelo placar de 1 a 1. Perdeu em campo, mas conquistou o acesso no tapetão, depois que o volante Amaral estava irregular.

O Operário, levou duas goleadas. Em casa por 4 a 2 e no Rio de Janeiro por 6 a 2. 

Ano que vem, apesar de ter 28 equipes a mais, também serão três mata-mata até o acesso. Só que diferente de 2010, não terá o segundo mata-mata “não valendo nada”. Só para reforçar quando se encontraram na terceira fase JEC e Operário-PR, independente do resultado, já estavam classificados à próxima fase pelo que fizeram na fase anterior. Então para o JEC, em 2010, tiveram apenas dois mata-mata. Ano que vem serão três.

A cada ano as dificuldades aumentam. Caxias-RS, São Caetano, Brasiliense, Rio Branco-AC, Novo Hamburgo-RS, equipes habituadas a esse tipo de competição ficaram no caminho e tentarão de tudo para retornar a Série C.

Por isso, batemos na tecla de que o JEC precisa se reorganizar de forma profissional para encarar 2019.

 

 

Publicidade

1 Comentário

Publicidade
Publicidade