Publicidade
Sexta-Feira, 16 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 19º C

Comportamento, políticas públicas, tendências e inovação. Uma coluna sobre fatos e personagens da cidade e da região

  • "A operação Lava Jato marca uma virada de paradigma", afirma advogada de Florianópolis

    Advogada especialista em compliance, a advogada Anna Carolina Faraco Lamy participa neste sábado, em Florianópolis, de evento da Esmesc (Escola Superior de Magistratura de SC) que discute mecanismos de controle da corrupção. Nesta entrevista, ela fala sobre os impactos da Lava Jato nos programas corporativos de prevenção de irregularidades, práticas internas para garantir relações comerciais éticas e também sobre a adesão de órgãos públicos ao compliance.

    Anna Carolina Faraco Lamy, especialista em compliance - José Somensi, divulgação ND
    Anna Carolina Faraco Lamy:"Muitas pessoas ainda não se dão conta do risco que correm" - José Somensi, divulgação ND

     

    Como a Lava Jato vem impactando as empresas, especialmente as grandes, na prevenção de irregularidades?
    A Operação Lava Jato marca uma virada de paradigma, e a maneira como o Ministério Público investiga crimes se alterou por causa dela. O empresário, que não era foco primário de apurações criminais, passa a dividir esse espaço com aquelas pessoas que originalmente[...]

    Leia mais
  • "A reforma dá mais segurança para as empresas contratarem", afirmam advogados

    Em vigor há seis meses, a polêmica reforma trabalhista aprovada pelo governo Michel Temer (PMDB) acarretou de imediato uma significativa redução dos processos nos tribunais de todo o país. Só em Santa Catarina, a diminuição chegou a 50% nos primeiros dois meses do ano. Se do ponto de vista dos sindicatos de trabalhadores, a nova lei cerceou direitos, na opinião do setor produtivo o principal trunfo foi garantir mais liberdade para os contratos. Na avaliação dos advogados Danilo Martelli Jr e Maisa Amaral da Silva, especialistas na área, a reforma era absolutamente necessária porque a legislação brasileira não acompanhava as mudanças nas relações trabalhistas: “As empresas tinham receio de contratar em virtude do risco. Agora têm mais segurança”.
    Além disso, Danilo e Maisa destacam a responsabilização de quem recorre ao Judiciário trabalhista com uma lista de pedidos a que não tem direito ou ainda quem age de má-fé. “A reforma trouxe mais[...]

    Leia mais
  • "A sociedade abraçou a Lava Jato", afirma ministro da Transparência

    Com a desistência do deputado federal Osmar Serraglio, depois de forte pressão dos servidores, o auditor federal de finanças e controle da CGU Wagner Rosário assumiu na quarta-feira como ministro interino da Transparência. Em entrevista exclusiva à coluna, Wagner falou sobre o combate à corrupção e a Operação Lava Jato.

    Wagner Rosário, ministro interino da Transparência - divulgação/ND
    Wagner Rosário, ministro interino da Transparência - divulgação/ND


    Como o Brasil pode ser mais eficiente no combate à corrupção?
    Não há uma solução clara. Estamos no caminho certo em relação ao fortalecimento das instituições. Temos uma Polícia Federal e um Ministério Público mais atuantes. O segredo é termos instituições fortes. A sociedade também está mais alerta. O acesso à informação é maior. A própria Operação Lava Jato acaba trazendo informações sobre o funcionamento de esquemas criminosos e faz com que a sociedade esteja mais atenta. Estamos trabalhando para o novo portal da transparência, para que as[...]
    Leia mais
  • "A sociedade deve ser vigilante sobre as campanhas eleitorais", diz ex-ministro do TSE

    Palestrante de encerramento do Congresso Catarinense de Direito Eleitoral, iniciativa da OAB-SC e do TRE-SC que reuniu especialistas em Florianópolis,o  advogado Henrique Neves falou nesta terça-feira à coluna sobre a reforma política que está sendo desenhada no Congresso.

    Henrique Neves, ex-ministro do TSE - divulgação ND
    Henrique Neves, ex-ministro do TSE - divulgação ND



    O que o senhor considera mais problemático em relação à reforma política?
    O  mais difícil é a internet. Porque tudo que se imaginar no âmbito de uma eventual regulamentação será infinitamente menor do que a capacidade de criatividade das pessoas que operam na internet. 

    O que muda em relação à última campanha eleitoral?
    Os candidatos e partidos poderão pagar para que a propaganda alcance um universo que normalmente não alcançaria. Poderá selecionar determinados tipos de propaganda para determinados grupos. Poderá ter mil faces na internet. 

    Como combater o famigerado caixa 2 eleitoral?
    Com transparência. O eleitor tendo[...]

    Leia mais