Publicidade
Sábado, 22 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C
  • Tarado ataca mulheres em ponto de ônibus no bairro Costeira, em Florianópolis

    Um tarado está atacando mulheres em pontos de ônibus da avenida Jorge Lacerda, no bairro Costeira do Pirajubaé, em Florianópolis. Ele é magro, alto, não usa barba e tem aproximadamente entre 25 a 30 anos.

    Neste domingo (5), uma vítima de 31 anos foi atacada quando aguardava o ônibus para ir trabalhar. Ela passou um áudio, pelo aplicativo WhatsApp, pedindo socorro para o marido. Disse que foi agarrada duas vezes em frente a uma padaria. O marido pegou o carro  e foi ao encontro da companheira.

    O casal rodou pela área em busca do tarado,  mas não conseguiu encontrá-lo. Eles registraram boletim de ocorrência na Polícia Civil. No mês passado, o suspeito atacou uma garota que trabalha num supermercado do bairro.

  • Apreendidas cartas de facção orientando mulheres de presos a assumirem o tráfico em SC

    Cartas orientando mulheres de presos a tomarem a frente no tráfico de drogas, estatutos do PGC (Primeiro Grupo Catarinense) e outras anotações sobre a facção são alguns de uma série de documentos apreendidos por policiais da Draco/Deic (Divisão de Repressão ao Crime Organizado) da Diretoria Estadual de Investigações Criminais em unidades prisionais e em casas de alvos. De acordo com o delegado Antônio Seixas Jóca, cerca de 120 policiais foram destacados para cumprir 16 mandados de prisão temporária.

    Deste total, dez medidas cautelares foram cumpridas nas unidades prisionais de Florianópolis, São José, Joinville, Blumenau e Lages, de onde o PGC comanda o tráfico de drogas. Todos os presos investigados pertencem à cúpula da “firma” e, segundo Jóca, a ação policial foi mais focada no Morro do Mocotó, onde estão sediadas as principais lideranças da facção. “Porém não conseguimos botar a mão no número 1, que está a com a prisão decretada[...]

    Leia mais
  • Dez mulheres são assassinadas nos primeiros sete meses deste ano em Florianópolis

    Parece que a bruxa andou solta em julho para as mulheres vítimas de violência urbana em Florianópolis. Foram três homicídios brutais na Capital. Talvez o mais cruel ocorreu durante a chacina  no apart-hotel Venice Beach, em Canasvieiras, no dia seis de julho: Katya Gaspar Lemos, 50, foi encontrada morta por asfixia junto com o pai, dois irmãos e um empregado. A polícia ainda não descobriu a motivação do crime. Vinte dias depois, outras duas mulheres foram vítimas da violência urbana: Eliene Alves da Silva, 39, encontrada dentro de uma mala, no Morro do Mosquito, bairro Vargem do Bom Jesus; e Maria Aparecida Juliana de Oliveira Lenze, 34, em um carro abandonado no meio de um matagal no bairro Saco dos Limões. As causas das três mortes não foram definidas. Segundo o Instituto Geral de Perícia, faltam resultados de exames complementares. Além de julho, janeiro também registrou três feminicídios. No total, dez mulheres foram mortas este ano em Florianópolis
    Leia mais