Publicidade
Quarta-Feira, 21 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 17º C
  • Advogada que sofreu assédio sexual em consultório médico em Florianópolis depõe na polícia

    Muita coragem e determinação teve a advogada Mayara Cavassini Giacomini, 26, em romper o silêncio e gritar contra o assédio sexual que sofreu no consultório médico na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Sul, no Rio Tavares, em Florianópolis. Apesar de não atuar na advocacia, Mayara conhece bem as leis e resolveu lutar por uma causa em nome de mulheres vítimas de violência sexual que têm medo de denunciar os agressores. Antes de colocar a público a humilhação ao ser agarrada pelo médico, Mayara conheceu três garotas que passaram pelo mesmo problema, mas que ficaram com receio de levar a denúncia a diante. Apoiada pela mãe, Yracy Giacomini, 54, que veio de Faxinal dos Guedes, no Oeste de Santa Catarina, para dar suporte à filha, Mayara foi à Delegacia de Proteção a Criança, Adolescente, Mulher e Idoso, onde prestou um longo depoimento de quase duas horas. Ela também protocolou denúncia no Conselho Regional de Medicina contra o especialista que a impediu de[...]

    Leia mais
  • Advogada sofre assédio sexual na UPA do Rio Tavares e denuncia médico na polícia

    Uma advogada do Rio Grande do Sul registrou boletim de ocorrência na Dpcami (Delegacia de Proteção a Criança, Adolescente, Mulher e Idoso) de Florianópolis contra um médico plantonista na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Sul, no Rio Tavares, em Florianópolis. Ela acusa o plantonista de assédio sexual.

    Além do b.o., ela também postou no Facebook os momentos de agonia que passou no consultório: “Após a consulta médica, ele me impediu de sair da sala e me agarrou, tentando me beijar”. Isto ocorreu no dia 13 de agosto. Dois dias depois, a advogada disse que conheceu, aleatoriamente, “uma menina que sofreu assédio parecido por parte da mesma pessoa”. Agora, ela está procurando mais vítimas deste crime e se propõe a dar suporte jurídico.

  • Advogada que estava desaparecida em Brasília é encontrada morta em hostel de Florianópolis

    A advogada brasiliense Aline Stela Xavier Ázara, 37 anos, que estava desaparecida desde o dia 26 de junho, no Distrito Federal, foi encontrada morta num hostel de Florianópolis.  A família registrou ocorrência  na 13ª Delegacia de Polícia (Sobradinho), na terça-feira (26), em Brasília, um dia após o sumiço. Aline sofria de depressão.   A família da advogada está em viagem para buscar o corpo e providenciar o sepultamento na terra natal dela. O caso está sendo investigado em conjunto pela Delegacia de Homicídios de Florianópolis com a Delegacia de Repressão a Sequestros de Brasília.