Publicidade
Sexta-Feira, 24 de Novembro de 2017
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 18º C

Assuntos da Grande Florianópolis e os temas cotidianos das cidades da Região Metropolitana – incluindo resgates diferenciados da memória histórica –, são acompanhados de perto pelo colunista Carlos Damião, que tem mais de 30 anos de vivência profissional.

  • Eli Heil: uma personagem de seu tempo e de sua obra

    Peixes, uma obra da artista mais inquietante de SC - Acervo Masc
    Peixes, uma obra da artista mais inquietante de SC - Acervo Masc


    Arte é ousadia, transgressão. Não existe arte “bem comportada”, como querem os fascistas que atacaram uma exposição patrocinada pelo banco Santander, em Porto Alegre. A notícia foi divulgada neste domingo, 10/9, justo no dia em que perdemos a figura de Eli Heil, a irrequieta artista visual que mudou conceitos, quebrou paradigmas, abriu sua “arte incomum” para o mundo, sendo respeitada e admirada não só pelo público, mas pelos mais exigentes críticos brasileiros e estrangeiros.

    Dedicatória da artista, com uma pergunta inquietante para um jovem admirador - Acervo Carlos Damião
    Dedicatória da artista, com uma pergunta inquietante para um jovem admirador - Acervo Carlos Damião


    Acompanhei muito de perto a trajetória de Eli. Era adolescente ainda, estudante do ensino médio, quando fui visitar a uma de suas exposições, ainda modestas, mas impactantes, no Museu de Arte de Santa Catarina – à época ainda abrigado numa casa alugada na Avenida Rio Branco. Como ela tinha uma grande[...]

    Leia mais