Publicidade
Sábado, 22 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

Assuntos da Grande Florianópolis e os temas cotidianos das cidades da Região Metropolitana – incluindo resgates diferenciados da memória histórica –, são acompanhados de perto pelo colunista Carlos Damião, que tem mais de 30 anos de vivência profissional.

O louco da loucura mais suprema

A bela homenagem do Grupo RIC ao poeta Cruz e Sousa, nascido em 1861, traz para 2012 uma história e uma obra que não podem ser esquecidas

Carlos Damião

Pouco se fez em Santa Catarina para assinalar os 150 anos de nascimento do poeta Cruz e Sousa – transcorridos em 24 de novembro de 2011. Mas o Grupo RIC tomou a iniciativa de desenvolver projeto de resgate do mais importante poeta catarinense, um dos nomes mais destacados do simbolismo mundial, morto em 19 de março de 1898. O caderno especial encartado na edição do fim de semana, “Hei de Deixar Nome”, editado pela jornalista Néri Pedroso, com primorosa diagramação de Chris Dalla Costa, resulta do compromisso do Grupo RIC com o desenvolvimento cultural e educacional de Santa Catarina. Ao trazer para o cotidiano de 2012 a história e a produção literária de Cruz e Sousa, o Notícias do Dia alinha-se com a perspectiva cidadã que deve orientar um grupo de comunicação, ao promover a recuperação da trajetória de um poeta que superou tempo e espaço. Se disse “Hei de Deixar Nome”, Cruz e Sousa deixou. E muito mais que isso. Legou-nos a obra belíssima do “louco da imortal loucura / o louco da loucura mais suprema” – a loucura do Poeta, “o grande Assinalado”.

Sustentável

Nos últimos 12 anos, a substituição de outros combustíveis por gás natural evitou a liberação de 2,2 milhões de toneladas de CO² em território catarinense. O dióxido de carbono é o principal causador do efeito estufa. Responsável pela distribuição do gás natural em Santa Catarina, a SCGÁS comemora a marca de mil quilômetros de rede de distribuição implantada. A meta da companhia, agora, é aumentar a capilaridade no interior do estado.

Tributo

Mais um grande presente à cidade: nesta terça-feira (27) à noite a Camerata Florianópolis oferece uma sessão especial de Tributo à Música Brasileira, executando obras de Tom Jobim, Pixinguinha, Renato Teixeira, Roberto Carlos, Zininho e outros. O espetáculo é uma homenagem à WOA, empresa que patrocina a Camerata em sua trajetória anual de concertos.

Defensiva

Pode acontecer com qualquer um. E foi acontecer justamente com o comandante da Polícia Militar de Santa Catarina, coronel Nazareno Marcineiro. Na coletiva que concedeu na segunda-feira (26) à tarde, era visível o constrangimento do oficial, que no dia anterior tinha feito pouco caso da história, mas acabou confirmando que os ladrões foram bem-sucedidos na ação contra sua residência.

Bagunça

“Com relação aos ataques que a polícia vem sofrendo, chego à conclusão que os presos estão requerendo o que lhes é de ‘direito’, ou seja, tomar posse da antiga Nossa Senhora do Desterro. Resta-nos rezar, quem sabe ressuscitar o bandeirante Dias Velho e outros que comandaram Nossa Senhora do Desterro para pôr ordem nesta bagunça”. Manifestação sincera do leitor Élcio Silva, em e-mail à coluna.

Que fase

Para constranger ainda mais o governo, surge a história do bloqueio de bens da secretária Ada de Luca (PMDB), da Justiça e Cidadania, por supostas irregularidades numa licitação para compra de bloqueadores de celulares. Tão chato quanto isso é o fato de sabermos que o governo comprou os bloqueadores. E os bloqueadores... cadê? Como assim que os presos conseguem celulares e, pior, conseguem fazer ligações?

Nosso dia

Coloquei em debate no meu Facebook a questão do Dia de Santa Catarina, que sempre comemoramos em 25 de novembro, data da homenagem à padroeira do Estado, Santa Catarina de Alexandria. Mas... Há não muito tempo, os governantes catarinenses mudaram o Dia de Santa Catarina para 11 de agosto, data que assinala a criação do Estado, pelo império português, em 1738. O bonito (só que não) é que não comemoramos nem uma data, nem outra.

Exemplo

De fato, precisamos aprender muitas coisas sobre valores e tradições com os nossos vizinhos do Rio Grande do Sul. Eles comemoram o Dia do Gaúcho em 20 de setembro, ninguém discute data, nem motivo. E é feriado, assinalado com demonstrações cívicas, de amor declarado e apaixonado ao Estado e à sua história. Nós, catarinenses, fazemos o quê para demonstrar nosso amor a Santa Catarina? Nada.

E a qualidade...

Conflitos internos, provocados pela radical mudança cultural e política na administração da Universidade Federal de Santa Catarina, têm causado reações indignadas e imensas mágoas. Servidores antigos teriam sido escanteados de suas funções tradicionais, para dar lugar funcionários alinhados com a nova direção da UFSC. O problema é que estes nem sempre conhecem a mecânica de funcionamento dos órgãos internos. A confusão extrapola os limites do campus.

Proselitismo

Por falar em UFSC, parece certa a liberação de recursos federais para a duplicação da problemática rua Deputado Antônio Edu Vieira. E até hoje o Conselho Universitário continua “fazendo doce” para liberar uma faixa mínima de terras do campus. Os membros do conselho criticaram o projeto da prefeitura, mas não apresentaram uma única contribuição prática para a importante obra. É a tal história: adoram praticar proselitismo. Ajudar que é bom, nada.

Fim do mundo

"Vamos aos livros, vamos aos livros!". Resposta do jornalista Eduardo Balduíno a outro jornalista, Evandro Baron, via Twitter, diante da pane registrada no sistema de consultas Google na segunda-feira (26) à tarde. A pane causou pânico generalizado entre usuários, como se o fim do mundo “previsto” para 21 de dezembro tivesse ocorrido na seguna (26).

Predadores

Pescadores artesanais da Caeira da Barra do Sul estão denunciando esses barcos pela pesca predatória de camarão. Conforme relato encaminhado à coluna, os profissionais das empresas de pesca colocam as redes à noite e, na noite seguinte (para burlar a fiscalização), arrastam tudo que encontram, prejudicando a reprodução dos camarões e de outras espécies marinhas. O fotojornalista James Tavares foi lá conferir e comprovou a ação dos pesqueiros.

James Tavares/Divulgação/ND
Legenda

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade