Publicidade
Domingo, 23 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

Assuntos da Grande Florianópolis e os temas cotidianos das cidades da Região Metropolitana – incluindo resgates diferenciados da memória histórica –, são acompanhados de perto pelo colunista Carlos Damião, que tem mais de 30 anos de vivência profissional.

Ação contra professora da Udesc é julgada improcedente pela Justiça

Aluna, militante do "Escola Sem Partido", processava a professora Marlene De Fáveri por suposta perseguição religiosa

Carlos Damião

 Ação movida pela aluna Ana Caroline Campagnolo contra a professora Marlene De Fáveri, da Udesc, por suposta perseguição religiosa durante aulas na pós-graduação em História, foi considerada improcedente pela Justiça. O processo começou em 2017 e, desde então, Marlene recebeu ampla solidariedade de setores acadêmicos de todo o Brasil e do exterior, dalém movimentso de direitos humanos. A aluna denunciou a professora por causa dos posicionamentos de Marlene em relação às discussões de gênero e feminismo, especialidades de sua carreira acadêmica. Militante de extrema-direita, Ana Caroline é candidata a deputada estadual em outubro deste ano pelo PSL, o partido de Jair Bolsonaro.

A sentença do juiz André Alexandre Happke, do 1º Juizado Especial Cível da Comarca de Chapecó, foi divulgada nesta quarta-feira (5). O magistrado apontou uso parcial e descontextualizado de provas fonográficas (a aluna gravava debaes nas aulas), e também da ausência de provas testemunhais.

Ana Carolina tem presença política ativa nas redes sociais e mantém um canal no Youtube com o objetivo de desqualificar discussões sobre gênero e feminismo, de acordo com bandeiras do movimento Escola Sem Partido, tendência política ultradireitista que vem tentando amordaçar professores e alunos, impedindo-os de discutir questões comportamentais sobre orientação de gênero nas escolas, entre outros absurdos.

[Com informações do Portal Catarinas]

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade