Publicidade
Domingo, 30 de Abril de 2017
Descrição do tempo
  • 24º C
  • 13º C

Assuntos da Grande Florianópolis e os temas cotidianos das cidades da Região Metropolitana – incluindo resgates diferenciados da memória histórica –, são acompanhados de perto pelo colunista Carlos Damião, que tem mais de 30 anos de vivência profissional.

  • A memória colorida e amorosa do pintor José Cipriano

    Bica da Carioca, referência histórica importante de São José, que o artista eternizou em tela. A bica é de 1843 e está preservada - Divulgação
    Bica da Carioca, referência histórica importante de São José, que o artista eternizou em tela. A bica é de 1843 e está preservada - Divulgação


    Na madrugada da sexta-feira de greve geral perdemos a doce figura de José Cipriano da Silva, um artista plástico que dedicou sua vida a retratar aspectos do patrimônio histórico, cultural e natural da Grande Florianópolis.

    Embora não fosse um artista renovador – como foram, por exemplo, Hassis e Martinho de Haro –, Cipriano voltou seu olhar às paisagens de Florianópolis e São José com uma abordagem mais acadêmica e realista, quase fotográfica. Mas o valor de sua obra reside exatamente nisso: a preocupação com a preservação imagética do patrimônio, mesmo quanto a edificações e cenários que já desapareceram. Como Domingos Fossari, outro acadêmico de valor inestimável, muitas vezes ele se baseou em imagens históricas e fotografias para compor suas obras, sempre com resultado surpreendente e[...]

    Leia mais
  • Greve geral: o forte recado das ruas à equipe governamental

    Parte da gigantesca passeata que percorreu o centro de Florianópolis - Carlos Damião
    Parte da gigantesca passeata que percorreu o centro de Florianópolis - Carlos Damião


    Numa análise ainda parcial, é possível dizer que a greve geral desta sexta-feira, 28/4, foi bem-sucedida. Episódios isolados de violência e depredação não tiram o mérito do movimento, que se espalhou pelo Brasil de forma bem destacada, como vêm mostrando praticamente todos os portais de notícias internacionais.

    Em Florianópolis não foi diferente: milhares de pessoas marcharam pelas ruas até o grande encontro, no fim da tarde, na região do Ticen (Terminal Integrado Central). Aos que acusam o “esquerdismo” ou “cutismo” da greve, uma informação de quem esteve lá para conferir: havia gente vestida com todas as cores possíveis, do vermelho ao verde e amarelo, do azul ao roxo, do laranja ao preto e ao branco. Gente da direita civilizada, ao centro e à esquerda civilizada.

    Conversei com pais e avós de alunos do Catarinense e do Imaculada, dois colégios católicos[...]

    Leia mais
  • Adesão à greve geral de sexta é maciça em todo o país

    Trata-se da maior mobilização popular desde a campanha das diretas em 1984 - Divulgação Pixabay
    Trata-se da maior mobilização popular desde a campanha das diretas em 1984 - Divulgação Pixabay


    Por mais que alguns tentem desqualificar a greve geral marcada para esta sexta, 27/4, o movimento tomou proporções inéditas na história brasileira. Raras vezes se viu uma conjugação tão extraordinária de diferentes setores da sociedade, de tendências ideológicas ou partidárias antagônicas em torno de um único propósito: a defesa dos direitos sociais da população, ameaçados pelas reformas previdenciária e trabalhista, engendradas pelo grupo que se apossou do poder em 2016, graças a um golpe parlamentar.

    Esse grupo foi longe demais. Se auto-outorgou uma legitimidade que não existe, não tem respaldo popular e é alimentada por grupos de extrema-direita, como o nefasto MBL (Movimento Brasil Livre).

    As reformas pretendidas agridem conquistas históricas, que afetam o cotidiano de ampla parcela da população. Em suma, interessam a setores localizados,[...]

    Leia mais
  • Academia promove sessão da saudade em homenagem a Walter Piazza

    A Academia Catarinense de Letras vai realizar no dia 7 de maio a "Sessão da Saudade" em homenagem póstuma ao historiador e acadêmico Walter Fernando Piazza, um dos mais importantes intelectuais catarinenses do século 20 e início do século 21. Autor de inúmeros livros - entre os quais o fundamental Dicionário Político Catarinense (!985) - e artigos científicos, Piazza morreu em 9 de fevereiro de 2016, aos 90 anos. Era também professor aposentado do curso de História da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), no qual ajudou a formar pelo menos três gerações de historiadores.