Publicidade
Terça-Feira, 26 de Setembro de 2017
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 19º C

Assuntos da Grande Florianópolis e os temas cotidianos das cidades da Região Metropolitana – incluindo resgates diferenciados da memória histórica –, são acompanhados de perto pelo colunista Carlos Damião, que tem mais de 30 anos de vivência profissional.

  • Cartazes fascistas ameaçam advogado negro em Blumenau

    Um dos cartazes colados nas proximidades da residência do advogado - Divulgação
    Um dos cartazes colados nas proximidades e na porta da residência do advogado - Divulgação


    Os vermes da extrema-direita se tornam cada vez mais ousados e destemidos no Brasil, a exemplo do que ocorre em países europeus e nos Estados Unidos. Em Blumenau, na manhã desta segunda-feira (25/9) postes e a porta da residência do advogado Marco Antônio André amanheceram com um estranho cartaz colado. “Negro, comunista antifa, macumbeiro. Estamos de olho em você”, diz a mensagem ameaçadora, que utiliza uma imagem representativa do movimento racista KKK (Ku Klux Klan), dos Estados Unidos. “Anfifa” é como são conhecidos os militantes antifascistas no Brasil.

    Indignado, o advogado, que é negro e membro atuante do NEAB (Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros) da Udesc (Universidade do Estado de Santa Catarina) publicou a imagem no seu Face, junto com um desabafo:

    “Hoje (segunda) pela manhã os postes da minha rua e da porta da minha casa amanheceram com esse aviso.[...]

    Leia mais
  • Grande oferta de serviços explica nervosismo dos taxistas

    O excesso de táxis em Florianópolis explica (mas não justifica) o colapso nervoso de muitos dos motoristas desse serviço público. Além disso, eles enfrentam a concorrência de um sistema mais barato, oferecido pelo aplicativo Uber, ainda não regulamentado na Capital.

    No domingo (24/9) à tarde, havia mais táxis enfileirados no Terminal Rodoviário Rita Maria do que automóveis particulares. Era um verdadeiro engarrafamento em vermelho e branco. Qualquer um pode observar também que pedaços de Zona Azul viram pontos de táxi da noite para o dia em diversas ruas da cidade. E os veículos lá estacionados, à espera da clientela cooptada pelo Uber.

    O que houve na verdade foi a coincidência de incorporação de mais de 200 licenças de táxis no fim de 2016, totalizando quase 700 veículos disponíveis para utilização dos usuários, com a popularização entre nós do Uber. É óbvio que os carros credenciados pelo Uber representam uma concorrência séria, forte e[...]

    Leia mais
  • Lei que permite adoção de praças na Capital completa 30 anos

    Praça Getúlio Vargas revitalizada graças a parceria com a iniciativa privada - Carlos Damião
    Praça Getúlio Vargas revitalizada graças a parceria com a iniciativa privada - Carlos Damião


    Florianópolis é uma cidade rica em praças. Oficialmente, são 95 espaços desse tipo que, pelo menos em tese, deveriam servir ao lazer e ao convívio social e para apresentações culturais. A mais célebre de todas – e mais antiga – é a Praça 15 de Novembro, cuja história remonta à fundação da cidade, em 1673.

    A maior parte das praças é localizada na Ilha de Santa Catarina. A cidade tem praças com nomes curiosos, como Banco Redondo (Etelvina Luz) e poéticos (Praça dos Namorados, Parque da Luz). Tem até a Praça Desterro, nos altos da Rua Francisco Tolentino, que só existe no papel. E uma dedicada a Floriano Peixoto, o marechal que deixou marcas sangrentas na capital catarinense e, por isso, é considerado persona non grata entre os moradores.

    Na edição de 16 e 17 de setembro abordamos neste espaço as obras de revitalização do Largo Benjamin Constant,[...]

    Leia mais
  • Wedekin volta a criticar operação que prendeu reitor

     O ex-senador Nelson Wedekin voltou a criticar, com veemência, a Operação Ouvidos Moucos, que prendeu no dia 14/9 o reitor da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), professor Luiz Carlos Cancellier de Olivo, e seis outras pessoas ligadas à instituição. “Exagero, desproporção, injustiça”, são palavras de Wedekin, advogado que atuou voluntariamente na defesa de presos políticos durante a ditadura civil-militar implantada em 1964. “Submeteram Cancellier e mais seis cidadãos a um constrangimento imediato e brutal”, acusa o ex-senador.

    Confira a íntegra da mensagem recebida pela coluna na noite desta quinta-feira, 21/9:

    Tanto mais nos aprofundamos sobre a prisão de Luiz Carlos Cancellier de Olivo, o reitor da UFSC, tanto mais avulta o exagero, a desproporção, e portanto, a injustiça do ato.

    Diz a Polícia Federal que as prisões temporárias de Cancellier e de outras seis pessoas eram para evitar constrangimento ou assédio a professores e[...]

    Leia mais