Publicidade
Sexta-Feira, 21 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 17º C

Informações e análises sobre a política catarinense, com prioridade para conteúdos exclusivos e inéditos. Entrevistas com personagens que decidem nas esferas do Executivo, Legislativo e Judiciário. Notícias e opiniões contextualizadas com os bastidores do poder.

Deputados revogarão reembolso de tratamentos médicos; falta transparência ao que foi pago

Fim desse privilégio é um grande passo, mas, pelo bem da transparência, esses dados precisam vir a público

Altair Magagnin

Um privilégio que não cabe em momento algum, mas torna-se inaceitável nesses tempos de gravíssima crise econômica, o pagamento integral das despesas médicas e hospitalares dos deputados estaduais catarinenses deve ser encerrado nesta terça-feira (11). A resolução que autoriza o benefício data de 1992, mas foi o boom gerado pelo então presidente Aldo Schneider (MDB) que despertou para a necessidade de revisão na norma. Dentro da lei, Aldo ressarciu R$ 3,6 milhões durante o atual mandato. Por mais que tenha sido responsável por 90% dos reembolsos entre os anos de 2015 e 2018, o destino do dinheiro é público e notório, o tratamento de um câncer, que ceifou a vida do parlamentar no mês passado. Mas, e os outros 10%? Ninguém sabe. Ou melhor, há quem saiba, mas a informação não está pública. Os incontáveis pedidos da imprensa – em especial do Notícias do Dia, que se debruçou sobre o caso – foram negados, até mesmo o pedido por meio da Lei de Acesso à Informação. Nos bastidores, comenta-se que até procedimentos estéticos teriam sido bancados pela Casa. A falta de informação abre espaço para especulações desta natureza. O fim desse privilégio é um grande passo que a Assembleia dará, mas, pelo bem da transparência, esses dados precisam vir a público.

Assembleia Legislativa de Santa Catarina - Daniel Queiroz/ND
Assembleia Legislativa de Santa Catarina - Daniel Queiroz/ND



Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade