Publicidade
Quarta-Feira, 29 de Março de 2017
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 21º C

Os principais fatos da economia de Santa Catarina e do país com uma leitura descomplicada e acessível, evitando o “economês” e buscando sempre traduzir os assuntos mais importantes da área econômica para os leitores do ND. Alessandra Ogeda tem 19 anos de jornalismo, é catarinense e doutora em Comunicação pela Universidade Complutense de Madri.

  • Coreia do Sul confirma visita técnica a frigoríficos de Santa Catarina

    O embaixador da Coreia do Sul no Brasil, Luiz Fernando de Andrade Serra, confirmou para o secretário de Assuntos Internacionais de Santa Catarina, Carlos Adauto Virmond, que o Estado foi incluído na lista de regiões com autorização para começar o processo de exportação de produtos pecuários, mais especificamente da carne de suínos e os seus derivados. A primeira visita técnica para habilitar frigoríficos do Estado poderá ser feita em maio segundo o embaixador. Ou seja, a Operação Carne Fraca deflagrada pela Polícia Federal e com apoio da Receita Federal não vai interferir no processo.

    Essa é uma boa notícia para Santa Catarina que vem trabalhando para abrir o mercado da Coreia do Sul para os produtos da agroindústria do Estado. De acordo com Serra, a intenção da QIA (Agência de Quarentena Animal e de Plantas) é "visitar de quatro a cinco estabelecimentos de produção de carne suína" de Santa Catarina, "preferencialmente que não estejam envolvidos nas[...]

    Leia mais
  • Buscando a liderança da energia distribuída no país

    Filho de um engenheiro que fez carreira no mercado de geração de energia elétrica, o curitibano Rodolfo de Sousa Pinto, 43 anos, seguiu os passos do pai e hoje participar da principal revolução do setor no país e no mundo. CEO (diretor executivo) da Engie Solar, braço da maior empresa privada de energia elétrica do país voltado para o mercado de geração de energia distribuída, Rodolfo atua há 20 anos no setor. Morando em Florianópolis desde o ano 2000, hoje ele equilibra a rotina entre o trabalho na Engie Solar e a dedicação para os filhos Olívia, Gustavo e Miguel, de sete, cinco e três anos, respectivamente.

    Quando fala sobre a sua área de atuação e sobre o crescimento da Engie Solar, empresa fundada em abril do ano passado, Rodolfo transparece um profundo conhecimento técnico e também uma paixão contagiante pelo tema. Para ele, a energia distribuída - que permite a geração elétrica com usinas solares instaladas no local em que o insumo será[...]

    Leia mais
  • Os bairros mais caros para compra e aluguel de imóveis em Florianópolis

    Em um ano aumentaram os valores do m2 para compra e aluguel de imóveis em Florianópolis, mas na comparação mensal, fevereiro apresentou queda nos valores destas duas modalidades do setor imobiliário. De acordo com o DMI (Dados do Mercado Imobiliário) do portal VivaReal, o preço nominal médio do m2 para compra e venda na Capital atingiu R$ 5.000 no mês passado, valor 1,8% menor que o preço de janeiro e 3,62% maior do que em fevereiro de 2016. O preço nominal médio do m2 para aluguel ficou em R$ 20,89, redução de 0,8% em relação a janeiro e 1,03% maior na comparação anual.

    Maciço do Morro da Cruz, Florianópolis - Flávio Tin/ND
    Preço do m2 para compra e venda e para aluguel subiu em Florianópolis em um ano, mas teve retração em fevereiro na comparação com o primeiro mês de 2017 - Flávio Tin/ND



    De acordo com o DMI-VivaReal, os imóveis na Avenida Beira-Mar Norte tiveram preço médio do m2 para a venda de R$ 9.790 em fevereiro, valor 96% maior que a média da cidade. Em segundo lugar no ranking dos[...]

    Leia mais
  • Fiesc aprova projeto da terceirização aprovado pela Câmara dos Deputados

    Bandeira defendida pelas principais entidades empresariais do país e de Santa Catarina, o projeto de terceirização aprovado na noite de quarta-feira (22/03) pela Câmara dos Deputados foi aplaudida pela Fiesc (Federação das Indústrias do Estado de SC). Para o presidente da entidade, Glauco José Côrte, a aprovação do projeto de lei traz segurança jurídica e melhora o ambiente institucional do país. Um dos principais argumentos dos empresários para a defesa do projeto é que ele tornará mais fácil a geração de emprego no país e a retomada do mercado de trabalho.

    "Após quase 20 anos de tramitação, a aprovação do projeto pela Câmara dos Deputados contribuirá para a estabilidade macroeconômica, estimulará a produtividade e representará uma nova oportunidade para o país, pois segurança jurídica e institucional reduzem riscos em investimentos, aumentam a competitividade e promovem a criação de mais e melhores empregos", opinou Côrte em nota da Fiesc[...]

    Leia mais