Publicidade
Quarta-Feira, 21 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 17º C

Pão e vinho: a mais clássica das misturas, com o toque refinado de um especialista na arte da panificação e na enologia. Conheça os tipos de vinho, as características de cada um, as maneiras de harmonizar a bebida com as mais variadas refeições. Imperdível.

Vinhos de altitude criam nova rota enoturística em Santa Catarina

A festa da Vindima é uma ótima oportunidade para percorrer esse novo caminho enoturístico e enogastronômico no Brasil e provar os vinhos que estão construindo o perfil da região

João Lombardo
João Lombardo/ND
Um novo caminho para o vinho brasileiro (Serra do Rio do Rastro)

Quem for à serra catarinense entre os dias 4 e 27 de março vai poder degustar mais de 120 rótulos de vinhos, entre espumantes, brancos, rosados, tintos e vinhos doces produzidos acima dos 900 metros de altitude, dentro das comemorações da 3a Vindima de Altitude. Quinze, das 20 atuais vinícolas regionais em operação, estarão participando do evento, promovendo degustações, visitas às cantinas, almoços e jantares harmonizados, eventos culturais com música e dança, numa festa que acontecerá nos finais de semana. Uma oportunidade para conhecer a rota dos vinhos catarinenses de altitude, um novo destino enoturístico no Brasil.

O roteiro começa no topo da Serra do Rio do Rastro e termina no Meio-Oeste. A rota é marcada por paisagens desenhadas por araucárias, cânions e cachoeiras. O caminho serpenteia pelas cidades de Bom Jardim da Serra, São Joaquim, Bom Retiro, Urubici, Campo Belo do Sul, Urupema, Lages, Água Doce, Campos Novos, Treze Tílias, Videira e Monte Carlo.

Há mais de 500 hectares de videiras europeias plantadas nos terrenos elevados, segundo a Vinho de Altitude Produtores & Associados, antiga Acavitis. A tinta mais plantada é a Cabernet Sauvignon. A branca é a Chardonnay, segundo levantamento estatístico divulgado no ano passado pelos produtores. A Sauvignon Blanc, no entanto, cresce e se consolida como a uva branca emblemática local.

A região produz cerca de 1 milhão de garrafas de vinhos e espumantes anuais, distribuídos em mais de 150 rótulos. No total, são 35 projetos vitivinícolas.

 

Veja o perfil dos atuais vinhos produzidos nas altitudes:

 

 

João Lombardo/ND
As uvas dividem espaço com o pinhão nas altitudes catarinenses

 

Sauvignon Blanc – o vinho emblemático das altitudes. A uva está bem adaptada à região e gera brancos frescos, com frutado tropical, cítricos, agradáveis notas herbáceas e acidez importante. A grande maioria dos produtores elabora Sauvignons. O conjunto dos vinhos mostra qualidade e consistência.

Chardonnay – a uva sofre com as geadas tardias. Os frutos que resistem geram brancos frescos e frutados, com boa estrutura e maciez. Quando estagiados em barricas, agregam notas de especiarias doces.

Pinot Noir – outra uva de cultivo mais difícil nas altitudes. Gera vinhos com agradável frutado, estrutura e corpo. Os estilos variam dos mais leves àqueles que remetem aos Pinots do velho mundo.

Espumantes rosados – elaborados majoritariamente com as uvas tintas Cabernet Sauvignon e Merlot, as mais plantadas nas altitudes. Esses espumantes têm mais corpo e estrutura que os tradicionais. Os aromas mesclam frutas vermelhas, entre eles a goiaba, com uma cada vez menor lembrança vegetal típica da variedade nas altitudes. Esses espumantes vão bem com comida. Os espumantes brancos de Chardonnay e Pinot Noir, cuja produção está crescendo, começam a revelar seu estilo.

Vinhos rosados – a maioria é feita a partir de cortes que levam Cabernet Sauvignon e/ou Merlot. Alguns rementem ao estilo provençal, suave na cor e aromaticidade.

Vinhos de uvas italianas –ainda poucos produtores exploram castas como a Sangiovese, Montepulciano, Vermentino e Garganega. Mas os vinhos já revelam seu potencial e qualidade.

Tintos de castas francesas - Foram os vinhos de corte com variedades francesas que fizeram a fama dos tintos nas altitudes de Santa Catarina. A mescla de uvas gera tintos equilibrados. Alguns chegam a somar sete uvas. Esses tintos, além de bem estruturados, são longevos e mostram excelente evolução em garrafa.

 

Conheça a culinária e a enogastronomia das altitudes

A culinária e os vinhos de altitude de Santa Catarina promovem deliciosos casamentos enogastronômicos. Na região é possível provar receitas campeiras, como o entrevero – à base de pinhão e carne frescal –, o carreteiro, a paçoca de pinhão e o churrasco; há vários pratos com truta; preparos alemães e austríacos como o späetzle, knödel e goulash; receitas italianas, galeto e massas; cabrito no tonel, uma especialidade do Meio-Oeste; preparos com carnes de cordeiro, aves e carne suína. Além de pratos da nova culinária regional. Espumantes, vinhos brancos, rosados e tintos entram em cena, dependendo da escolha.

João Lombardo/ND
Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade