Publicidade
Sexta-Feira, 16 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 19º C

Pão e vinho: a mais clássica das misturas, com o toque refinado de um especialista na arte da panificação e na enologia. Conheça os tipos de vinho, as características de cada um, as maneiras de harmonizar a bebida com as mais variadas refeições. Imperdível.

Coluna Pão & Vinho: A rota enogastronômica do pinhão e dos vinhos de altitude.

Veja na coluna de hoje algumas indicações de vinhos catarinenses para harmonizar com o pinhão, um dos mais desejados ingredientes do outono/inverno catarinense.

João Lombardo

(foto – João Lombardo/ND)

Se a tainha é o ingrediente sazonal mais desejado da mesa de outono/inverno do litoral catarinense, o mesmo vale para o pinhão, quando os olhos se voltam para as altitudes e para os fogões à lenha serranos. Semente da araucária, o pinhão pode ser usado em vários preparos, típicos e contemporâneos. Junto com os vinhos das altitudes, ele ajuda a construir uma particular enogastronomia serrana. Vinhos e pratos regionais se tornam um grande atrativo turístico, valorizam a mesa e a vitivinicultura catarinense e atraem turistas de todo o Brasil. 

Entrevero, Paçoca de Pinhão, Carreteiro de Pinhão e Pinhão Assado na Chapa são os principais pratos da tradição serrana. Quando se pensa na nova cozinha, as possibilidades são infindáveis. Cuscuz de pinhão, Carré de Cordeiro com Farofa de Pinhão, Pesto com Pinhões, Truta com Lascas de Pinhão e tantos outros preparos.

E os vinhos, que vinhos escolher para acompanhar os preparos com pinhão?

Assim como aconteceu nas várias regiões e países da Europa, os vinhos de altitude nasceram com o DNA pronto para acompanhar os pratos regionais catarinenses. Pratos serranos, do Oeste, litorâneos. Os casamentos são deliciosos. Parece que a terra dá à uva toda carga aromática e gustativa necessária para que ela gere vinhos que combinem com outros ingredientes que nasceram dela ou se alimentaram com a seiva que ela produziu. Algo, porque não dizer, poético. A poesia do terroir.

Quando se pensa na culinária do pinhão, a tradição remete ao entrevero, prato tradicionalmente feito em disco de arado onde o pinhão se encontra com a cebola, o pimentão, o alho, a carne frescal e a linguiça campeira, numa confusão de cores e sabores marcantes. Uma taça de Cabernet Sauvignon ou de um vinho de corte de Cabernet com outras uvas como a Merlot, Syrah, Sangiovese, Malbec e Cabernet Franc, ou um varietal dessas uvas ajuda a pacificar essa peleja. Ou ainda um varietal de Montepulciano, cujos vinhos vão se tornando notáveis nas altitudes. Esses mesmos vinhos podem acompanhar o Carreteiro de Frescal e Pinhão.

E a Paçoca de Pinhão, que vinho acompanha? A combinação do pinhão com a carne de porco pode ser escoltada inclusive por um branco de boa estrutura, um Chardonnay com boa passagem por barricas, frutado, amanteigado, com toques de especiarias e, fresco e untuoso em boca. Ou por um vinho laranja, intenso, branco com alma de tinto, estruturado, com personalidade. Um Pinot Noir é ótimo companheiro, fresco com notas frutadas e um toque de especiarias. O Merlot sem muita madeira se encaixa bem também aqui. Vinhos rosados também podem acompanhar a Paçoca de Pinhão.

Veja algumas dicas de vinhos para acompanhar preparos com pinhão:

(foto – Kranz - Divulgação )

Omertà Cabernet Sauvignon – Ubaldo by Kranz 2013 – Campos Novos/Treze Tilias – SC

100% Cabernet Sauvignon. Passagem de 12 meses por barricas de carvalho francês. Cor rubi com reflexos granada, aromas de frutas vermelhas e negras, cassis, ameixa. Tostados, couro, sutil herbáceo, especiarias. Acidez boa, taninos agradáveis, médio corpo. (Vinícola Kranz - R$ 46,00)

(foto – Abreu Garcia – Divulgação)

Abreu Garcia Cabernet Sauvignon/Merlot 2011 – Campo Belo do Sul – SC

Cabernet e Merlot. Passagem de 12 meses por barricas de carvalho francês. Cor rubi intensa, densa. Aromas de frutas negras, amora, ameixa preta, compota. Notas de especiarias doces e picantes, baunilha, pimenta preta. Tostados, café. Boa acidez, taninos presentes e finos, especiado no paladar. (Abreu Garcia – R$ 58,80)

(foto - Decanter – Divulgação)

Quinta da Neve Cabernet-Sangiovese-Merlot 2014 – São Joaquim – SC

40% Cabernet, 40% Sangiovese, 20% Merlot. Onze meses em barricas de carvalho francês. Cor rubi. Aromas de frutas vermelhas, cerejas, ameixas, notas verdes, de ervas frescas, toques de especiarias. Fresco em boca, frutado, com bons taninos. (Essen – R$ 52,60)

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade