Publicidade
Sábado, 21 de Abril de 2018
Descrição do tempo
  • 29º C
  • 18º C

Leandro Mazzini é jornalista, escritor e pós-graduado em Ciência Política pela UnB. Iniciou carreira em 1994, e passou pelo Jornal do Brasil, Gazeta Mercantil, Correio do Brasil, Agência Rio entre outros. O blog é editado por Mazzini com colaboração de Walmor Parente e equipe de Brasília, Recife e São Paulo.

  • Mensagem de comandante do Exército é interpretada como descontentamento

    A mensagem do general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército, lida ontem em Brasília foi interpretada como mais um disparo de descontentamento da caserna com os rumos do País em várias áreas. Com dezenas de oficiais – da ativa e da reserva - na fila de pré-candidaturas, o manifesto verde oliva fala em “ideologização dos problemas nacionais”, cita a corrupção e diz que, nas eleições desse ano, “caberá à população definir a vontade nacional”. Em meio à intervenção no Rio de Janeiro, o comandante do Exército sustenta que a “Pátria precisa ser defendida” ao mencionar a escalada de homicídios.

    Defasagem

    A carta também critica o Governo: “Orçamento aquém dos imperativos de suas missões e defasagem salarial dos soldados”.

    Velada

    Recente manifestação do general Villas Bôas foi vista como “ameaça velada” ao STF quando afirmou, às vésperas do julgamento de um habeas corpus do ex-presidente Lula, que o Exército “estava[...]

    Leia mais
  • Juízes federais são a favor da prisão imediata para condenados em segunda instância

    Segunda Instância

    A depender dos juízes federais, a classe é abertamente a favor da prisão imediata para condenados em segunda instância. O juiz Fernando Mendes, eleito novo presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), frisa que o Supremo Tribunal Federal, ao cravar a jurisprudência em 2016, apenas restabeleceu o que vigorou por 21 anos na própria Corte: "De 1988 a 2009, o STF admitia a prisão em segunda instância". A importância do tema não envolve apenas o sentimento de impunidade para casos de corrupção na política - e para o caso do ex-presidente Lula da Silva, preso em Curitiba. Mendes lembrou os criminosos de contrabando, tráfico de drogas e armas, que, com respaldo dos trâmites até última instância, continuam livres para operar no crime.

    Data Venia

    As declarações de Mendes foram feitas em palestra para jornalistas de 40 veículos do Brasil e 4 países do Mercosul, em Foz do Iguaçu, no seminário promovido ETCO e pelo ENECOB[...]

    Leia mais
  • Presidente do Paraguai é apontado como o maior incentivador do contrabando ao Brasil

    Na iminência da eleição de domingo no Paraguai, quando o Colorado do presidente Horário Cartes disputa o comando do país vizinho com os liberais, uma revelação de fontes da Receita Federal da fronteira incomodou o outro lado da ponte como uma verdade inconveniente. Assim que Cartes tomou posse em 2013, a Receita do Brasil o procurou para propor força-tarefa na fronteira contra o contrabando. Cartes e sua equipe descartaram de imediato. A proposta foi refeita ano passado e nada.

    Perfil

    O perfil de Cartes - que agora quer eleger o aliado Marito como sucessor - explica a negativa da parceria. O presidente do Paraguai é apontado como o maior incentivador ao contrabando para o Brasil. A sua Tabesa vende cigarros baratos para contrabandistas que atravessam e operam na fronteira.

    Golpe

    A operação da PF ontem em São Paulo foi um golpe duro numa das quadrilhas que trazem cigarros e outros produtos do Paraguai para o Brasil.

    Contrabando & Pirataria

    A operação contra o[...]

    Leia mais
  • Parceria política entre Geraldo Alckmin e João Doria azeda

    Azedou a parceria política entre o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB-SP) e João Doria Jr, pré-candidato ao Governo de São Paulo. Um teste da aliança foi feito há dias e houve sinalização de rompimento. Doria Jr convidou Alckmin para um corpo-a-corpo no interior. Mas o ex-governador preferiu acompanhar o ex-vice e atual governador Márcio França (PSB) em agenda política em outra cidade. França vai disputar o governo contra Doria, que é do PSDB de Alckmin. Nesse cenário de cisão, o ex-governador pode usar toda a máquina do Palácio para esvaziar a campanha de Doria.

    Promessa

    A relação entre Alckmin e França também está tênue. O atual governador do PSB prometera algo a Alckmin que não pode cumprir: a aliança PSDB-PSB. 

    Lide

    Concentrado na pré-campanha, Doria tem se afastado até do Lide (Grupo de Líderes Empresariais), que ele fundou. Não estará presente no próximo encontro empresarial que será realizado de quinta a domingo, em Recife.

    CPI da[...]

    Leia mais