“Marrento, brincalhão e de futuro promissor”, diz ex-técnico de Vitor Isaías

“Eu estou melhorando a cada dia, professor”. Essa mensagem foi enviada por Vitor Isaías, 15, florianopolitano, vítima da tragédia registrada no CT (Centro de Treinamentos) Ninho do Urubu, na madrugada desta sexta-feira (8). O destinatário é Damir Araújo, professor de educação física que há seis anos cuida de um projeto de aprimoramento físico dos atletas, em Florianópolis. Segundo Damir um jovem irreverente e de personalidade muito forte, duas virtudes essenciais para jogadores de alto rendimento.

>>> Empresário de vítima emite nota de pesar

>>> Exclusivo: Atleta de Florianópolis conta como foi o amanhecer trágico no CT do Flamengo

>>> Tempo real: incêndio no CT do Flamengo deixa dez mortos no Rio

“O negrão era muito marrento, brincalhão, e uma personalidade acima da média. O futebol precisa de personalidade forte e ele tinha um futuro promissor”, descreveu Damir.

Vitor era centroavante de ofício onde Damir o definiu como “muito grande e muito forte para a idade” e para a função.

Ele revelou que assim como vários atletas, sobretudo em categorias inferiores ao profissional, buscam os serviços de aprimoramento físico nos períodos referentes as férias. Vitor Isaías era um deles. Esteve com Damir no início de 2018, em férias, à época, do Atlético (PR). Em agosto de 2018 Vitor Isaías foi pinçado pelo Flamengo onde estava desde então.

Filho de coração e família ausente

Vitor Isaías tinha muito talento, mas contou com uma espécie de “adoção” da família Morikawa. Sergio Morikawa é pai de Kenzo Morikawa, amigo de Vitor de infância e atleta, assim como Vitor. Ambos foram levados, por Sergio, até o Atlético (PR). Vitor seguir ao Flamengo e o Kenzo segue nas categorias de base do Furacão.

Em contato com a reportagem, Sergio Morikawa contou que Vitor foi criado pela avó e descreveu seus pais como “ausentes”. “Ele era meu filho de coração, era um jovem do bem, de grande caráter e com um futuro promissor pela frente”, resumiu.

Sergio, que foi até o Rio de Janeiro para buscar o corpo do florianopolitano, contou que ficou sabendo a partir de ligações e do noticiário. Revelou e demonstrou muita tristeza e que o filho estava “muito abatido” com a perda do amigo.

Vitor Isaías, com as cores do Figueirense - Luiz Henrique/FFC
Vitor Isaías, com as cores do Figueirense – Luiz Henrique/FFC

Futebol