Kleber Leite articula chegada de Ney e queda de Pelaipe no Flamengo

Divulgação

A definição da saída de Jayme de Almeida e a escolha de Ney Franco para assumir o Flamengo aconteceu na sexta-feira. A negociação articulada pelo ex-presidente Kleber Leite contou com o aval do vice de marketing, Luiz Eduardo Baptista, e tinha o objetivo também de atingir o diretor de futebol, Paulo Pelaipe.

O ex-dirigente teve uma reunião na sede da empresa dele, a Klefer, com Plínio Serpa Pinto, vice de relações externas, e indicou o nome de Ney, de quem é amigo. Eles, então, entraram em contato com Nick Arcuri, empresário do treinador, e ofereceram um salário de R$ 350 mil. Posteriormente, receberam uma sinalização positiva do agente para prosseguir as conversas. Já estava acertado por eles, portanto, que Jayme não continuaria no Rubro-Negro independentemente do resultado do clássico contra o Fluminense, no domingo.

Ao excluir Paulo Pelaipe das negociações, Kleber e Plínio, insatisfeitos com o diretor, conseguiriam esvaziá-lo e deixá-lo sem ambiente no clube. As críticas ao executivo não estavam restritas apenas às contratações e ao desempenho do time dentro de campo, apesar do título Estadual.

Os recentes resultados negativos na base – goleadas para Fluminense e Atlético-MG – colocaram em dúvida o trabalho de Marcos Biasotto, coordenador geral das divisões inferiores e que foi indicado por Paulo Pelaipe.

A dupla, antes mesmo de ter a certeza da saída de Pelaipe, também tinha o nome de Marcos Braz como indicação para assumir a função de executivo do futebol.

A demissão do treinador na segunda-feira, acabou, portanto, culminando em surpresa para Jayme de Almeida e Paulo Pelaipe.

Esporte