Justiça do Rio determina cancelamento da concessão do Maracanã

RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS) – O juiz Marcello Alvarenga Leite, da 9ª Vara Pública do Rio de Janeiro, determinou que o processo de licitação do Maracanã seja suspenso. O magistrado acolheu Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público, na qual o órgão aponta que o processo de concessão por 35 anos teve vícios.

 Maracanã receberá o jogo entre Vasco e Santos na noite deste sábado. Confira a seguir a galeria especial do LANCE!  -  (Delmiro Junior / Agência LANCE!)
Torcedores tem reclamado do estado interno do estádio, cadeiras sujas e péssimo gramado – (Delmiro Junior / Agência LANCE!)

Em decisão do dia 11 de setembro, a qual o UOL Esporte teve acesso, Leite informou que o acordo “é lesivo aos cofres públicos do Estado do Rio de Janeiro e desnecessário para a viabilidade econômica da concessão”.

Acrescentou ainda que o “procedimento licitatório, para a seleção da concessionária que administrarão Maracanã e o Maracanazinho por 35 anos, encontra-se viciado em decorrência de ter sido oferecido acesso privilegiado a informação em favor de apenas um dos licitantes (a empresa IMX HOLDING S/A)”.

A IMX tinha como um de seus acionistas o empresário Eike Batista, preso posteriormente por suposto pagamento de propina ao ex-governador Sérgio Cabral.

Alvarenga determinou, em caráter liminar, “a suspensão da execução contratual eventualmente decorrente da concorrência”. O juiz pediu ainda que sejam negados os pedidos para demolições do estádio Célio de Barros, do parque aquático Julio Delamare e da Escola Municipal Friedenreich.

O funcionamento pleno destas instalações é exigido também pelo juiz, que afirma que é de responsabilidade do Estado do Rio de Janeiro todas as atividades destes espaços em curso.

Procurada, a concessionária que administra o complexo informou que não se manifestará em um primeiro momento. A reportagem aguarda um posicionamento por parte da Casa Civil do Rio de Janeiro.

Mais conteúdo sobre

Esporte

Justiça do Rio determina cancelamento da concessão do Maracanã

RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS) – O juiz Marcello Alvarenga Leite, da 9ª Vara Pública do Rio de Janeiro, determinou que o processo de licitação do Maracanã seja suspenso. O magistrado acolheu Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público, na qual o órgão aponta que o processo de concessão por 35 anos teve vícios.

Em decisão do dia 11 de setembro, a qual o UOL Esporte teve acesso, Leite informou que o acordo “é lesivo aos cofres públicos do Estado do Rio de Janeiro e desnecessário para a viabilidade econômica da concessão”.

Acrescentou ainda que o “procedimento licitatório, para a seleção da concessionária que administrarão Maracanã e o Maracanazinho por 35 anos, encontra-se viciado em decorrência de ter sido oferecido acesso privilegiado a informação em favor de apenas um dos licitantes (a empresa IMX HOLDING S/A)”.

A IMX tinha como um de seus acionistas o empresário Eike Batista, preso posteriormente por suposto pagamento de propina ao ex-governador Sérgio Cabral.

Alvarenga determinou, em caráter liminar, “a suspensão da execução contratual eventualmente decorrente da concorrência”. O juiz pediu ainda que sejam negados os pedidos para demolições do estádio Célio de Barros, do parque aquático Julio Delamare e da Escola Municipal Friedenreich.

O funcionamento pleno destas instalações é exigido também pelo juiz, que afirma que é de responsabilidade do Estado do Rio de Janeiro todas as atividades destes espaços em curso.

Procurada, a concessionária que administra o complexo informou que não se manifestará em um primeiro momento. A reportagem aguarda um posicionamento por parte da Casa Civil do Rio de Janeiro.

Mais conteúdo sobre

Esportes