Após revolta, viraliza vídeo de Guga criticando MP que retira investimentos do Esporte

O tenista Gustavo “Guga” Kuerten criticou a medida provisória MP841 publicada nesta semana pelo governo federal. A medida aumenta a transferência dos recursos arrecadados pelas loterias federais ao Sistema Único de Segurança Pública (Susp), mas diminui o repasse para as pastas do Esporte e da Cultura.

A decisão gerou revolta em entidades e personalidades ligadas a essas duas áreas, incluindo o tenista que se manifestou através das redes sociais. Ele considerou a medida “totalmente insensata” e “um ato de desespero e covardia” por tentar resolver o problema da segurança tirando o dinheiro destinado ao esporte e à cultura.

“Que tipo de educação a gente quer promover para os jovens? Que formação queremos para o futuro do nosso país?”, questionou o tenista em vídeo que acabou viralizando nas redes sociais. Guga sugeriu inclusive que o governo utilizasse os R$ 2,5 bilhões do Fundo Partidário para sanar os problemas da segurança, sem mexer nos recursos das outras pastas.

Repercussão negativa

A medida provisória irritou também os ministros Leandro Cruz (Esporte) e Sérgio Sá Leitão (Cultura). Ambos reclamaram pessoalmente ao presidente, que prometeu encontrar nova fonte de recursos para as duas pastas.

Nas redes sociais, Leitão chamou de “equivocada” a iniciativa que, segundo ele, não tinha seu apoio. O deputado federal Leonardo Picciani (MDB-RJ), ex-ministro do Esporte, anunciou que fará uma emenda parlamentar para que seja preservada parte do repasse para a pasta. A arrecadação das loterias é uma das principais fontes de recursos do ministério.

Outra mudança prevista na MP841 é aumentar o percentual da arrecadação das loterias que é destinada ao prêmio, de 43% para 50%.

Com a repercussão negativa, o governo federal já estuda eduzir esse percentual de 50% para 47% ou 48%, repassando a diferença para as duas pastas que tiveram diminuição no recebimento de recursos após a medida provisória.

“Nós estamos trabalhando com a hipótese de reduzir um pouco o prêmio e fazer o redirecionamento para que as áreas sejam atendidas. Em vez de elevar aos 50%, elevaria a 47% ou 48%”, afirmou o ministro Raul Jungmann (Segurança Pública).

Política