O que esperar dos indicados ao Oscar 2019? Façam suas apostas

A cerimônia do Oscar sempre envolve expectativa. O anúncio dos indicados ao maior prêmio do cinema mundial mostrou que a disputa deste ano promete ser intensa em várias categorias, e alguns filmes e celebridades já estão no centro das atenções..

 

Vibrante Rami Malek em “Bohemian Rhapsody” - Divulgação/ND
Vibrante Rami Malek em “Bohemian Rhapsody” – Divulgação/ND

Entre a música e o coração

“Bohemian Rhapsody” conta a história da banda britânica Queen, que conquistou legiões de fãs mundo afora. O título do longa-metragem é o mesmo da canção composta na década de 1970 por Freddie Mercury, cuja vida ganha ênfase ao longo de 133 minutos.

Filmes envolvendo ídolos que fizeram história são, na maioria das vezes, sinônimo de grande apelo popular. Apesar de não fugir à esta regra, “Bohemian Rhapsody” vai muito além dos palcos para captar a essência da banda e de seus integrantes. Assim, é possível observar a vida privada da voz responsável por arrastar multidões, percebendo novos detalhes sobre o vocalista cena após cena.

É difícil não obter bons resultados quando há talento de sobra por parte do elenco, e o filme carrega o mérito de contar com nomes capazes de moldar o sentido do roteiro sem tirar o brilho do mesmo. É o caso de Rami Malek, muito competente na missão de interpretar Mercury. Sem dúvidas, o conjunto de acertos torna este um forte candidato ao posto de Melhor Filme.

 

Alfonso Cuarón e seu “Roma” disputam em dez categorias  - Divulgação/ND
Alfonso Cuarón e seu “Roma” disputam em dez categorias – Divulgação/ND

Uma obra-prima latina

Em 2013, “Gravidade” fez de Alfonso Cuarón o primeiro mexicano a vencer o Oscar de Melhor Diretor. Agora, a performance na direção de “Roma” pode fazê-lo conquistar a estatueta de ouro pela segunda vez. Sua indicação para a categoria não causa espanto, levando em conta que Cuarón coleciona sucessos de crítica como “Filhos da Esperança” (2008), “Paris, Te Amo” (2006), entre outros.

Em “Roma”, ambientado na Cidade do México, o público é convidado a voltar ao século 20 para acompanhar a rotina de Cleo (Yalitza Aparicio), empregada doméstica marcada por vivências que se entrelaçam com o contexto social de um país em transformação.  A versatilidade comprovada de Cuarón e o primor estético da obra são ingredientes que elevam o filme a um patamar reservado a produções de destaque. Não é à toa que Roma figura em dez categorias da premiação.

 

Olivia Colman brilha como a rainha Anne em “A Favorita” - Divulgação/ND
Olivia Colman brilha como a rainha Anne em “A Favorita” – Divulgação/ND

Realeza premiada

     Repetindo o feito de anos anteriores, a tão esperada categoria de Melhor Atriz conta com estrelas acostumadas a brilhar nas telonas. Uma delas é Olivia Colman, que recentemente faturou o Globo de Ouro por seu trabalho em “A Favorita”, onde interpreta a rainha Anne. Muito elogiada pela crítica, a atuação de Colman deixa claro as razões de sua indicação, que já era aguardada pelos cinéfilos.

O momento surge para coroar a bem-sucedida carreira da atriz, cujo talento a permite encarnar a protagonista com maestria. No filme, que se passa no século 18, a vida da monarca interpretada por Colman muda quando a recém-chegada Abigail (Emma Stone) começa a disputar sua atenção, antes destinada à Duquesa de Marlborough (Rachel Weisz).

 A entrega da atriz ao papel é evidenciada em cenas que caracterizam uma personalidade marcante, mostrando que suas chances de levar o prêmio são altas.

 

Bradley Cooper corre junto na lista de Melhor Ator com “Nasce Uma Estrela” - Divulgação/ND
Bradley Cooper corre junto na lista de Melhor Ator com “Nasce Uma Estrela” – Divulgação/ND

O sucesso continua

     Apontado como um dos favoritos para integrar a categoria de Melhor Ator desde o lançamento de “Nasce Uma Estrela”, Bradley Cooper tem muito a comemorar. O longa-metragem protagonizado e dirigido por ele retrata a ascensão da sonhadora Ally (Lady Gaga) após encontrar o personagem de Cooper no clube onde canta. Criticamente aclamada, a produção é mais um passo da trajetória do ator no cinema, iniciada em 2001 com “Mais Um Verão Americano”.

Concorrer na mesma categoria de astros como Willem Dafoe reforça o fato de que Cooper está voando alto na indústria cinematográfica. Sair vitorioso da cerimônia que ocorrerá em 24 de fevereiro seria, portanto, mais um importante triunfo.

Mais conteúdo sobre

Cinema