Luiz Carlos Prates

Formado em psicologia, Luiz Carlos Prates nasceu em Santiago, no Rio Grande do Sul, e pratica o jornalismo há 58 anos. Homem de posicionamento, perspicácia e ponto de vista diferenciado, ele tece comentários provocativos, polêmicos e irreverentes, abordando os fatos do dia a dia e pautas voltadas a comportamento.

O poder da língua

Atualizado

Leio diariamente sobre a vida de “famosos”, esses pequenos ou grandes idiotas que fazem “arte” como a cara deles, televisão e correlatos… Fazem de tudo para aparecer, e o que mais fazem é usar mal a língua. E antes de ir adiante, é bom lembrar o que disse Salomão, filho de Davi: – “Quem guarda sua boca conserva sua vida, mas quem muito abre os lábios a si mesmo arruína”. Dá para dizer de outro modo: – “Um golpe de chicote deixa marca, mas um golpe de língua quebra os ossos”… São incontáveis os aforismos sobre essa lâmina que guardamos dentro da boca.

Sobre os tais famosos, todos os dias uma lambança, alguém insinuando algo desagradável sobre um colega, ele ou ela, todos os dias uma língua de fora buscando manchar a imagem de um “concorrente”. Gentalha que chegou à fama e a ganhar muito dinheiro, mas… Sem educação nem caráter.

Comumente, quando falamos mal de alguém é para nos elevarmos, afinal, diminuindo os outros sobra alguma coisa para nós… A língua no convívio social é a arma da maioria, poucas vezes para o bem. Não nasceu ainda quem não tenha falado mal de alguém pelas costas desse alguém.

As brigas de casais sempre começam por uma palavra, uma frase áspera, crítica, acusatória, algo buscando constranger ou punir o parceiro, ele ou ela. O silêncio também pode machucar, mas nada machuca mais que uma palavra ferina, daquelas pensadas antes e disparadas como flecha envenenada logo depois. Bem diziam os antigos gregos da Oratória: – “Fala, se queres que te conheça”. E quanto aos imbecis, artistas de meia-tigela, esses soltam mais a língua quando têm como colega/concorrente uma jovem mulher, bonita, bem-educada, culta e com um sobrenome de causar inveja… Aí, companheiras, saiamos da frente, essa atriz, ou quem for, será vítima de todas as maledicências da inveja e acusada de ações que não cometeu, mas isso é tão velho quanto Caim roendo unhas por inveja do irmão Abel…

Com a língua podemos “matar” pessoas, mas também salvá-las. Com a língua nos revelamos: Fala, se queres que te conheça! Quem levar essa sentença adiante tem mais chances de ser feliz no casamento. Os ouvidos são melhores que os olhos…

 

DIREITOS

Quem quiser ter direitos que antes cumpra com os deveres. Ontem, um imbecil de uns 16 anos andava “voando” de skate na contramão do trânsito, ziguezagueando entre os carros e com fones de ouvido. Foi na Gustavo Richard, centro de Florianópolis. Se um carro mandasse o imbecil pelos ares quem se incomodaria seria o motorista; não, todavia, na minha delegacia… Ou ordem e respeito ou não se queixem da sorte…

 

FALTA DIZER

Tenho o mais profundo desprezo por ele. É um padre esquerdista, desses famosos, (famoso entre os iguais dele) que numa entrevista disse que na infância sua maior diversão era armar arapucas para pegar pássaros, alguns grandes como o jacu… Quem na infância já não tinha bons sentimentos, nunca os terá mais tarde, nunca. Uma “pessoa” dessas não passa de um traste desprezível.

 

 

Mais conteúdo sobre

Mais conteúdo

Luiz Carlos Prates

Relendo trechos de Jorge Luís Borges, o notável escritor/poeta argentino, tremi. De uma feita, ele fez uma frase […]

Luiz Carlos Prates

É isso mesmo, você adivinhou. Vou falar de Maria Sharapova, linda e competente, russa, campeã de tênis, riquíssima. […]