Publicidade

Você está em

Terça-Feira, 27 de Setembro de 2016
Descrição do tempo
  • 24º C
  • 13º C

Empresas de Joinville apostam na reciclagem

Termotécnica e Embraco se destacam no processo de logística reversa

Isabella Mayer de Moura
Joinville
Mauro Artur Schlieck/ND
Conscientização: A Termotécnica participou da Semana Lixo Zero e na manhã de quinta (29) recebeu cerca de 100 crianças de escolas municipais na unidade de reciclagem, localizada na SC-301

 

Mauro Artur Schlieck/ND
Termotécnica recicla cerca de 400 toneladas de isopor por mês, cerca de 30% do volume produzido no período

Os joinvilenses produzem cerca de 13 mil toneladas de lixo por mês. É como se cada pessoa jogasse fora 800g de lixo todos os dias, considerando-se a estimativa atual de população do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Os dados foram informados pela gerência de limpeza urbana do município e mostram também que de todo este material menos de 8% são destinados para as cooperativas de reciclagem. “Ainda há potencial para aumentarmos a proporção de reciclagem. Tem muito material reciclável que está indo para o aterro”, comentou Pedro Ivo Barnack, gerente de limpeza urbana da Seinfra (Secretaria de Infraestrutura de Joinville).

Joinville tem potencial para despontar no mercado de reciclagem e se destaca por ser a cidade com o maior índice de reciclagem de EPS (poliestireno expandido, mais conhecido como isopor) no Brasil. O título se deve ao trabalho realizado pela Termotécnica. A fabricante de EPS recicla atualmente cerca de 30% de todo o volume que produz – algo em torno de 400 toneladas por mês. Desde 2007, quando a empresa montou a primeira unidade de reciclagem, já foram processados mais de 35 mil toneladas de EPS que seriam jogados no lixo.

A responsabilidade socioambiental da empresa tem um nome: logística reversa, a qual está prevista na lei de Política Nacional de Resíduos Sólidos. “Temos responsabilidade com o destino final do produto que fabricamos. Desde 2007 temos este processo instituído como unidade de negócios. No país todo temos oito fábricas aptas a reciclar EPS, 1.200 pontos de coleta e mais de 400 cooperativas envolvidas”, conta Albano Schmidt, presidente da Termotécnica.

O EPS é 100% reciclável. Na fábrica, o material é selecionado porque não pode conter resíduos de outros produtos, como por exemplo, adesivos. Depois passa pelo processo de moagem, compactação, trituração e extrusão. O que no início do processo é o isopor vira pequenas pérolas de plástico, as quais são destinadas a indústrias fabricantes de réguas, molduras, rodapés, cabides, canetas. “Duas carretas carregadas de EPS que chegam à fábrica se transformam em 1.000 Kg de poliestireno”, observa Michels.

O objetivo da empresa é reciclar 100% do volume que produz até 2020, mas segundo o gerente de sustentabilidade da empresa, Paulo Michels, atingir esta meta vai depender também da colaboração de terceiros. “Um dos instrumentos da Política Nacional de Resíduos Sólidos é a responsabilidade compartilhada, ou seja, não vai depender só da gente, mas de outras pessoas envolvidas no processo, como os próprios cidadãos e prefeituras”, explica.

A Termotécnica participou da Semana Lixo Zero e na manhã de quinta (29) recebeu cerca de 100 crianças de escolas municipais na unidade de reciclagem, localizada na SC-301, em Pirabeiraba. Além de conhecer a fábrica e como funcionam os processos, eles ainda assistiram a um teatro sobre sustentabilidade. A empresa também colocou um ponto de coleta de EPS no Shopping Mueller, em frente à Cassol.

Em um ano, operação da Embraco reciclou 801 mil compressores

Há pouco mais de um ano a Embraco lançou um novo modelo de negócios que oferece soluções em logística reversa para o Sul do país. Desde então a Nat.Genius reciclou 698 mil compressores Embraco e 103 mil compressores de outros fabricantes, o que resultou volumes equivalentes a 4,6 milhões de kg de aço; 1,8 milhão de kg de ferro; 94 mil kg de alumínio; 562 mil kg de cobre e 131 mil litros de óleo.

“A intenção da Embraco é levar o conceito de economia circular para todo o Brasil e gerar um grande benefício para a cadeia de eletrodomésticos e eletrônicos e principalmente para o meio ambiente”, destaca Luiz Ricardo Berezowski, gerente da operação da Nat.Genius.

As atividades são direcionadas a grandes empresas. A Paviloche, por exemplo, envia os refrigeradores que não servem mais para uso para a Nat.Genius dar o destino correto ao material. “Aqui a gente separa os materiais. O compressor possui óleo e este material nós enviamos para um de nossos parceiros que tem certificação da ANP [Agência Nacional de Petróleo] para dar o destino correto. O cobre enviamos para parceiros que utilizam o material como matéria prima no processo produtivo”, exemplificou Berezowski.

Exclusivamente na Semana do Lixo Zero, que ocorreu de segunda a sábado, a Embraco criou um ponto de coleta de lixo eletrônico na fábrica para que toda a comunidade pudesse dar destino correto a eletrodomésticos e eletroeletrônicos. Até quarta haviam sido coletados cerca de 100 produtos, em sua maioria monitores e celulares, e realizados mais de 300 agendamentos para a coleta de grandes itens diretamente na casa das pessoas, o que vai ocorrer na terça (3).

Publicidade

0 Comentários