Site gratuito faz pesquisa dos preços aplicados em supermercados da Capital

Antes do lançamento do site Cesta de Economia, equipe fez cinco meses de pesquisa

Saraga Schiestl
Saraga Schiestl
Editora do ND Verão


Florianópolis

Junior Careca/ND
Junior Careca/ND
Rogério e Fabíola mantêm equipe que levanta preços nos estabelecimentos

 

Na hora de fazer as compras do mês, o consumidor recorre, tradicionalmente, aos panfletos dos supermercados para saber o que está em oferta. A informação  é preciosa e permite que seja traçado um roteiro de compras com o objetivo de economizar. Tanto que empresários da Capital se reuniram para transformar a ânsia por ofertas locais dos supermercados em negócio. Os criadores do site Cesta da Economia prometem oferecer aos usuários os preços atualizados de sete grandes redes da cidade.

“Temos uma equipe que vai para a rua buscar as ofertas”, destacou a responsável pelo administrativo e comercial do site, Fabíola Kalfeltz. A ideia do Cesta de Economia surgiu em uma saída às compras de Fabíola em outubro do ano passado. “Na hora de colocar um produto no carrinho, fiquei em dúvida se ele estava mais barato naquele ou em outro supermercado”, lembrou. Foram cinco meses de pesquisa até o lançamento do site, que aconteceu em março deste ano. No primeiro mês foram mais de 26 mil acessos. Para criar o Cesta de Economia,   investimento foi de R$ 55 mil em elaboração e o custo de manutenção varia entre R$ 3.000 e R$ 5.000.

Para permitir a pesquisa antes das compras, o site agrupa os produtos e apresenta o preço de cada um nos supermercados pesquisados. Também é possível selecionar apenas as ofertas nas redes próximas da casa do usuário. Todo o serviço é gratuito, incluindo o sistema que envia mensagens de celular ou por e-mail para as pessoas cadastradas indicando as ofertas que gostariam de receber. “Se o consumidor costuma comprar  os itens da cesta básica, ele pode coloca-los no cadastro e receber o aviso sempre que um dos produtos entrar em promoção”, exemplificou o coordenador de desenvolvimento do site, Rogério Souza. A economia alcançada em uma simples pesquisa dentro do site é evidente. Em poucos cliques, o consumidor pode economizar até R$ 134 avaliando somente a cesta básica. “Na época da Páscoa, encontramos uma diferença de até R$ 10 no quilo do bacalhau”, lembrou Rogério.  

Fornecedores viraram clientes

Entre os acessos que o Cesta de Economia recebeu no primeiro mês de atuação, 64% surgiram do link colocado na página do Procon (Proteção e Defesa ao Consumidor) de Santa Catarina, que apoia o site. “Nós temos uma parceria institucional com o Procon, afinal, o órgão não tem condições de realizar uma pesquisa tão completa como esta que nós fazemos”, disse Fabíola.

Outra ferramenta gratuita que será disponibilizada aos consumidores no próximo mês é um aplicativo para os sistemas operacionais Android e Apple. “Quisemos começar apenas com o site porque as donas de casa – um dos nossos grandes públicos -têm menos acessos aos smartphones e mais facilidade para entrar na Internet em casa”, definiu o coordenador de desenvolvimento do site.

Para manter o Cesta de Economia, por enquanto, os desenvolvedores cobram dos fornecedores de supermercados o serviço de recebimento das mensagens de celular. Além disso, Rogério e Fabíola planejam comercializar espaços dentro do site para as marcas divulgadas. “Se o usuário digitar  m determinado produto, poderá aparecer a imagem dele”, completou.

Publicado em 12/04/13-10:21

Matérias relacionadas