Prefeitura de Florianópolis libera licença para hotel de 18 andares na Ponta do Coral

Mesmo tendo o novo Plano Diretor fixado gabarito máximo de seis andares para aquela região, o empreendimento se valerá das normas anteriores

Fábio Bispo
Fábio Bispo


Florianópolis

Divulgação/ND
Projeto prevê uma área construída de 30 mil m², quase um terço do inicialmente previsto

 

A Prefeitura de Florianópolis liberou, ontem, as licenças pedidas para a construção do megaempreendimento turístico na Ponta do Coral, onde deve ser instalado hotel de 18 andares. O projeto prevê uma área construída de 30 mil m², quase um terço do projeto inicial, que foi fortemente combatido pelo prefeito Cesar Souza Júnior (PSD). No entanto, para o início efetivo das obras, o empreendimento ainda aguarda a liberação da LAP (Licença Ambiental Prévia), que pode ser emitida ainda este mês pela Fatma, onde será avaliada a viabilidade do empreendimento. Projetado pela Hantei Construções e Incorporações Ltda. O hotel contará com 224 apartamentos e heliponto, num investimento orçado em R$ 161 milhões.

O diretor executivo da Hantei, Aliator Silveira, disse ontem que ainda não tinha recebido oficialmente a informação da liberação das licenças expedidas pelo município, assinada pelo secretário de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente Dalmo Vieira. “Estamos aguardando um pronunciamento. Não temos expectativa do início das obras, pois isso depende da liberação por parte do poder público”, comentou Silveira.

Na semana passada, técnicos da Hantei se reuniram com técnicos da Fatma, onde teriam adiantado a liberação por parte do município expedida nesta quarta-feira, segundo informou o órgão estadual do meio ambiente, através de sua assessoria de comunicação. Na Fatma, o projeto está em fase de estudo e nas próximas semanas deve ter parecer divulgado. Caso seja emitida a LAP, a construtora ainda precisará passar pela aprovação de projeto complementar e ingressar com pedido da LAI (Licença Ambiental de Instalação), quando deve efetivamente iniciar os trabalhos num dos pontos mais nobres da cidade.

Mesmo tendo o novo Plano Diretor fixado gabarito máximo de seis andares para aquela região, o empreendimento se valerá das normas anteriores. A partir do momento que a obra começar, o prazo de implantação é de três anos. Procurado para comentar a aprovação do projeto, o secretário Dalmo Vieira não foi localizado.

Publicado em 05/02/15-07:13